Mesmo no alto da Penha está o castelo que observa Espanha, Monsanto e Penamacor. Do outro lado da encosta, a paisagem muda radicalmente.

Penha Garcia
Penha Garcia segue toda a encosta até à penha créditos: Who Trips
Penha Garcia
As escarpas, a barragem e os moinhos créditos: Who Trips

Escarpas enormes de quartzitos, um vale profundo, uma barragem que dita o caudal do Rio Ponsul e meia dúzia de casas de pedra. São quase todas moinhos de água e parecem minaturas vistas do castelo.

Há poucas paisagens assim em toda esta região. Acresce que há cerca de 500 milhões de anos esta era uma zona oceânica e as rochas têm a marca desse tempo. Iconofósseis de organismos invertebrados.

Penha Garcia
Domingos Rodrigues créditos: Who Trips

Os caminhos para chegar ao fundo do vale estão marcados e Domingos Rodrigues está à sua espera.

Conforme ele diz é o “guardião dos fósseis” mas é muito mais do que isso. Há 15 anos que toma conta dos moinhos, arranja os caminhos, as pontes de madeira, os muros e com muita frequência encontra pedras com fósseis. Quase todas as que estão em exposição numa das casas do vale foram descobertas por Domingos Rodrigues.

Penha Garcia
Fósseis créditos: Who Trips

A casa museu tem ainda informação sobre os iconofósseis, os vários tipos e como se formaram.

Penha Garcia
Vista do vale com o rio e os moinhos e o dominio do xisto créditos: Who Trips

A casa museu faz parte da Rota dos Fósseis e pertencia aos moleiros que viviam no vale com muitos moinhos.

Penha Garcia
Vista para os moinhos do lado da barragem créditos: Who Trips

Nesta altura continuam a funcionar 4 dos 24 moinhos que chegaram a existir. O último, “que era do ti Serrano”, esteve a trabalhar até 1978.

Penha Garcia
Interior de um moinho créditos: Who Trips

Os moleiros viviam aqui todo o ano, no meio das escarpas e o transporte da farinha era feito por animais. Viviam da “maquia”. Ficavam com uma percentagem da farinha que moíam.

Penha Garcia
créditos: Who rips

A quantidade de moleiros e a atividade que realizaram durante muito tempo deu fama a Penha Garcia como terra de bom pão que chega aos dia de hoje.

Penha Garcia
Queda de água do Rio Pônsul créditos: Who Trips

Foram as moagens industriais que acabaram com os moinhos de água. Caso tivesse continuado em atividade, hoje teriam uma dificuldade acrescida porque deixaram de semear trigo ou centeio.

A maior atividade é a visita de turistas. Há dias que chegam às dezenas e muitos são espanhóis. Penha Garcia está acerca de 15 da fronteira com Espanha.

Além dos moinhos e dos fósseis, há também gente que vem fazer escaladas nas escarpas gigantes. No Verão tem igualmente sucesso uma pequena praia fluvial.

Penha Garcia
Rua na aldeia de Penha Garcia créditos: Who Trips

Penha Garcia faz parte do Geoparque Naturtejo. No interior da aldeia alem do castelo tem ainda interesse visitar a igreja matriz, o núcleo museológico São Pedro de Alcântara, o pelourinho e ruas antigas, estreitas e com casas de pedra.

Penha Garcia
Homenagem ao 25 de Abril de 1974 créditos: Who Trips

Há um monumento ao 25 de Abril que tem uma vista interessante para a encosta da aldeia e o vale até Idanha-a-Nova.

O “guardião dos fósseis” da aldeia lagarto faz parte do programa Vou Ali e Já Venho da Antena1 e pode ouvir aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.