Há mais aldeias de xisto para além das que pertencem à Rede das Aldeias de Xisto: Vaqueirinho e Catarrrador são exemplo e também com novos habitantes. Alguns em permanência outros vão e vêm novos. Mas sempre com um espírito hippie.

Das que fazem parte da Rede das Aldeias de Xisto, cinco estão no concelho da Lousã e Gondramaz pertence ao de Miranda do Corvo.

Gondramaz é uma aldeia pequena, foi toda renovada e está rodeada de árvores.

Encanta os visitantes devido à sua simplicidade. Na verdade é uma rua que desce a serra e por vezes se desdobra em pequenas ruelas. A rua termina com um restaurante e uma piscina.

Xisto na serra
O final da rua principal em Gondramaz créditos: Who Trips

Tudo o resto é xisto. De tom amarelo e um pouco diferente das restantes aldeias da Lousã. Só a capelinha de N. Senhora da Conceição tem uma cor diferente porque está rebocada de branco.

Actualmente, residem em permanência sete pessoas e quase sempre há mais gente na aldeia porque ganhou novos habitantes. Gondramaz está a 9km de Miranda do Corvo e é uma das aldeias de xisto com melhores acessibilidades.

Das cinco aldeias do concelho da Lousã que fazem parte da Rede das Aldeias de Xisto as que ganharam maior projecção foram Talasnal, Candal e Cerdeira.

Candal sempre teve maior destaque porque está próxima da estrada que faz a ligação a Castanheira de Pêra.

A aldeia impressiona logo à primeira vista. A forma como as casas estão integradas na serra e os materiais de xisto e madeira fazem um retrato que não se esquece.

Candal
Candal estende-se pela encosta entre cursos de água créditos: Who Trips

É um anfiteatro de construções que sobe uma encosta íngreme até ao miradouro. Daqui podemos contemplar as ruelas, a eira e as casas alinhadas em socalcos. A ribeira de Candal acentua a harmonia. Desce por um dos lados da aldeia e forma uma piscina muito bonita que surpreende quem passa porque está no meio das casas. De forma permanente, residem menos de uma dezena de pessoas.

Próximo do Candal fica Cerdeira.

Xisto na serra
Cerdeira destaca-se pela sua beleza natural e iniciativas relacionadas com Arte créditos: Who Trips

É uma das aldeias de xisto com uma marca especial. Ficou sem residentes permanentes durante uma década e o ponto de viragem foi há 30 anos com uma escultora alemã que escolheu viver na aldeia e criar um atelier.

Foi o início de um processo que direccionou Cerdeira para as artes. É também muito bonita. A maioria das 40 casas estão reconstruídas e algumas são residências artísticas.

Talasnal é um dos casos de maior sucesso.

A aldeia tem algumas dezenas de casas alinhadas na encosta da serra, a maioria estão reabilitadas e toda a área urbana está bem cuidada.

Percebemos logo isso quando chegamos e somos recebidos na eira. Começa aqui uma das ruas principais que nos vai levar de modo labiríntico ao final do casario e onde temos uma excelente vista do castelo da Lousã.

XistoTalasnal
Vista da eira do Talasnal para a serra créditos: Who Trips

As ruelas levam-nos a descobrir grupos de casas que estão alinhadas no mesmo socalco. São caminhos estreitos. Alguns têm plantas decorativas e videiras que dão colorido e sombra. Dão mais vivacidade ao ambiente porque o xisto das casas é escuro. Apesar da sua beleza e dinâmica, Talasnal não tem residentes permanente.

A única aldeia com pastor é Chiqueiro.

Xisto na serra
No Chiqueiro temos ainda um magnifico pôr do sol créditos: Who Trips

Fica no final do caminho de uma das encostas mais altas da serra. Acaba o caminho e começa um largo de ardósia. Há algumas máquinas agrícolas, roupa estendida e a fonte a correr para dois tanques.

Uma ruela estreita desce a encosta rodeada de algumas casas de xisto escuro. Num caminho lateral descobrimos a capela rebocada de branco. Algumas construções foram reabilitadas.

O pastor é simpático e a família vive também da agricultura e da apicultura. São os únicos residentes da aldeia.

Casal Novo não fica longe e também está escondida na serra.

XistoCasal
Casal Novo é a varanda da serra para a Lousã créditos: Who Trips

É visível apenas uma casa junto à estrada, uma área para estacionar os carros e a placa onde se pode ler “Casal Novo em xisto velho”. É preciso descobri-la.

Descer a rua que estrutura a aldeia com muitas escadas e rodeada de casas. Algumas das construções estão cobertas de plantas, em particular as que estão desocupadas ou em ruína. No final da rua, quando se chega à eira percebemos porque o Casal Novo é a varanda da serra para a vila da Lousã. Tem uma vista única para a área urbana da Lousã com uma moldura recortada por encostas da serra.

A história da desertificação é também comum

Casal Novo não tem habitantes permanentes. Tal como Talasnal. Cerdeira esteve abandonada uma década, Chiqueiro tem apenas a família do pastor e Gondramaz tem sete residentes permanentes.

XistoTalasnal
O Talasnal foi das maiores aldeias e não tem residentes permanentes créditos: Who Trips

Eram povoados dedicados à pastorícia e devido ao isolamento estavam dependentes dos produtos autóctones. Algumas aldeias chegaram a ter uma centena de habitantes e milhares de cabras.

O êxodo começou há cerca de um século quando foi imposta a cultura do pinheiro. Os pastores ficaram vedados de levar as cabras para muitos terrenos porque os animais comiam os rebentos do pinheiro. Começaram a emigrar. EUA, Brasil e, depois, a região de Lisboa. A situação foi agudizada em 1975/76 quando encerraram as escolas no Talasnal e Candal.

A gastronomia regional destaca-se pelo cabrito e o prato mais conhecido é a chanfana. No Candal há um restaurante que é dos mais afamados e serve pratos tradicionais.

talanisco
Talanisco. De mel e castanha créditos: Who Trips

Tem também de provar o talanisco, um doce feito à base de mel e castanha.

A altura mais adequada para a visita? Fiz esta pergunta ao professor Paulo Peralta que tem duas casas no Talasnal e a resposta que me deu foi uma citação do pintor Carlos Reis de que “a serra da Lousã é sempre boa de pintar ao longo de todo o ano”.

Xisto na serra
A vegetação luxuriante está presente todo o ano créditos: Who Trips

Ele acrescenta que no verão usufrui-se da água e das paisagens ao ar livre com percursos pedestres. No Inverno é a magia do nevoeiro, a magia da castanha e a magia da lareira a crepitar.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.