A primavera e o verão podem parecer mais atraentes quando se pensa em férias, mas o inverno é também uma época excelente para conhecer uma cidade. Não se deixe intimidar pelo termómetro, olhe a chuva por uma perspetiva romântica e descubra Paris nos meses mais frios do ano. A época do Natal ilumina a cidade e, com alguma sorte, um ou outro nevão podem tornar a quadra ainda mais inesquecível.

Monumentos mais acessíveis

Paris: uma cidade calorosa quando o frio aperta
créditos: Irina lediaeva/Unsplash

Visitar o Museu do Louvre durante a época alta pode transformar um dia de sonho em Paris num verdadeiro pesadelo. Filas e filas intermináveis para entrar e galerias apinhadas são cenários longe de simpáticos. Nos meses de inverno, dar uma olhadela à Mona Lisa está bem mais facilitado e até os passeios no exterior do museu se tornam mais desafogados, o que significa mais espaço para as fotos da praxe junto à pirâmide. O mesmo se aplica à Torre Eiffel ou ao Palácio de Versalhes que mesmo com turistas, estarão muito menos concorridos.

Se o frio ou a chuva podem incomodar na rua, experimente descer ao subsolo e descubra as Catacumbas de Paris. Mas prepare-se, porque as temperaturas aqui não são das mais elevadas. De início, estes 300 quilómetros de túneis – só é possível percorrer alguns – serviram de fonte de pedra calcária para muitos dos monumentos da cidade. Chamavam-se por isso as pedreiras de Paris. Aos poucos abandonadas, as pedreiras deram origem a uma enorme rede de túneis, que viriam no século XVIII a servir de última morada aos parisienses. Na altura os cemitérios não conseguiam já acolher os cadáveres e entre 1785 e 1787 milhões de corpos foram para aqui transladados. Abertas ao público depois da Revolução Francesa, as Catacumbas viram as suas passagens maiores forradas com esqueletos dispostos em padrões artísticos. Estima-se que acolham hoje mais de 6 milhões de ossos.

O romantismo dos cafés

Paris: uma cidade calorosa quando o frio aperta
créditos: Valentin B. Kremer/Unsplash

Depois desta descida às Catacumbas, nada como fazer uma pausa num dos muitos cafés ou bistros tipicamente parisienses. Siga até ao bairro de Montmartre e descubra um dos cenários de ‘O Fabuloso Destino de Amélie Poulin’: o Café des Deux Moulins. Era aqui que a protagonista trabalhava e, desde então, o espaço apresenta algumas alusões ao filme de 2001. Imagens à parte, o café deve o seu nome (Café dos Dois Moinhos) aos moinhos históricos da zona: o Moulin Rouge e o Moulin de la Galette. Caso prefira a literatura ao cinema, não pode deixar de conhecer o Cafe de Flore, nascido em 1887 em Saint Germain. Simone de Beauvoir e Jean-Paul Sartre eram clientes habituais e ainda hoje é frequentado por artistas e intelectuais atraídos pelo seu charme discreto e elegante. Outra paragem obrigatória, nem que seja para umas fotos, é o Cafe de la Paix, no cruzamento da Place de l’Opera, em frente à Ópera Garnier. Parte integrante do Le Grand Hotel, a beleza do seu interior (e também do edifício) é indiscutível. Dê ainda uma vista de olhos pelo jardim de inverno do hotel e aproveite para se deliciar com o Le Grand Brunch, um dos melhores brunchs da cidade.

Visitas guiadas

Paris: uma cidade calorosa quando o frio aperta
créditos: Sergei Khukov/Unsplash

Paris guarda muitos segredos e alguns deles são revelados por tours temáticos. E há para todos os gostos. Um deles revela o coração oculto da capital francesa e promete uma série de histórias secretas. Se é apreciador da boa mesa, então aposte num passeio gastronómico noturno, que o leva a jantar em três restaurantes diferentes e a admirar monumentos emblemáticos como o Arco do Triunfo. Paris é uma das grandes capitais da moda, logo o tema não podia faltar ao role de visitas. Siga até Le Marais e fique a saber tudo sobre alta-costura e não só com um guia de estilo. E quem resiste a chocolate? Se não é o seu caso, faça a excursão a pé em Saint-Germain-des-Prés e conheça algumas das melhores chocolatarias e lojas de doces da cidade. Para além de revelar detalhes do fabrico, este tour inclui uma parte ainda melhor: a degustação, claro está.

Natal na Cidade Luz

Paris: uma cidade calorosa quando o frio aperta
créditos: Pierre Blache/Unsplash

As ruas de Paris ganham ainda mais luz chegada a quadra natalícia. Os Campos Elísios são o principal cartão-postal, mas o espírito encontra-se um pouco por toda a capital francesa. Os mercados de Natal, inaugurados em meados de novembro, estão a par das luzes, entre as grandes atrações. Um deles ocupa o famoso Jardim das Tulherias, com as suas cem barracas, diversões para crianças e uma pista de gelo. Aberto até 8 de janeiro, funciona todos os dias até às 21 horas, à exceção de sextas e sábado, em que a festa se estende até à meia-noite.

Paris: uma cidade calorosa quando o frio aperta
créditos: Pascal Bernardon/Unsplash

Bem perto da Torre Eiffel, no Champs-de-Mars está um dos mercados mais populares. Uma centena de pequenos chalets faz as delícias de parisienses e visitantes, não faltando também uma pista para os fãs da patinagem. Aberto todos os dias das 11 às 21 horas, funciona entre 16 de dezembro e 2 de janeiro. Não muito grande, mas recheado de charme, é o mercado natalício montado mesmo ao lado da Catedral de Notre-Dame. Na praça René Viviani, quatro dezenas de artesãos expõem os seus produtos, havendo ainda lugar para acepipes e vinho nacionais. A festa organizada em torno da mais antiga árvore de Natal parisiense (diz-se que tem mais de 400 anos) dura entre 10 e 26 de dezembro, entre as 10 h e as 21 h, com exceção de sextas e sábados em que encerra à meia-noite.

Quem disse que Paris tem de ser visitada na primavera ou no verão? Reserve o seu voo com a TAP e descubra os encantos da Cidade Luz nos dias mais frios.

Paris ida desde 45€