"Os negócios vão muito bem, louvado seja Deus", diz Fayzal Addais, que gere uma barraca numa avenida comercial a alguns metros da Kaaba, o santuário mais sagrado do islão, na Grande Mesquita.

"Os clientes são estrangeiros e falam todos os idiomas", acrescenta este comerciante iemenita de 41 anos, que vende lembranças religiosas.

Nesta avenida movimentada, fileiras de barracas e vitrines sobrepõem-se, sobressaem na calçada e disputam com cartazes variados para atrair os clientes.

O comerciante Ali "multiplica por cinco" o seu volume de negócios durante o hajj, que de 9 a 14 de agosto vai atrair cerca de 2,5 milhões de fiéis peregrinos de todo o mundo.

Esta peregrinação é um dos cinco pilares do islão, e todos os muçulmanos devem fazer  pelo menos uma vez na vida, se tiver condições para isso.

 "Culto do dinheiro"

"Em qualquer lugar da cidade há, muito perto, alguém para vender algo", resume o intelectual britânico de origem paquistanesa Ziauddin Sardar, na sua obra "História de Meca", publicada em 2014.

O comércio em Meca é "omnipresente e omnipotente" e os peregrinos veem-se "incitados sem cessar a gastar o seu dinheiro", ressalta o autor, que aponta um "culto do dinheiro e do consumismo".

Há itens que os peregrinos compram em grande quantidade: tapetes de oração, incenso, exemplares do Corão, terços de madeira ou de pérolas de plástico brilhantes, lenços, água de Zamzam (um poço) que supostamente tem virtudes milagrosas, relógios que emitem cantos de chamada à oração, estatuetas da Kaaba fabricadas na China, etc.

Também há ouro saudita (muito cobiçado), relógios, roupas 'prêt-à-porter' e produtos tecnológicos.

Mesmo que às vezes a comunicação entre os vendedores e os peregrinos seja difícil, devido à diversidade de idiomas, o negócio continua a ser possível: uma calculadora permite a compreensão entre as duas partes.

Perto da esplanada da Grande Mesquita, centros comerciais climatizados recebem incessantemente milhares de fiéis. As lojas, incluindo as de luxo, estão sempre cheias ou quase -  as persianas só fecham durante a oração.

A isto somam-se os inúmeros restaurantes baratos e de fast food nas ruas estreitas e nas ruidosas artérias desta cidade do oeste saudita.

"A mesquita e o comércio"

Esta tendência ao consumo desenfreado não é nova: "Ao longo dos séculos, os peregrinos dividiam o seu tempo entre a mesquita e o comércio", resume Abdellah Hamudi, antropólogo na universidade de Princeton nos Estados Unidos, no seu livro "Uma temporada em Meca".

"As dimensões mercantil e religiosa sempre estiveram relacionadas em Meca, [...] já estavam presentes na peregrinação pré-islâmica", afirma Luc Chantre, professor na universidade francesa de Rennes 2, autor de várias obras sobre o hajj na época contemporânea.

"O que é novo são essas imensas galerias comerciais de vários andares que substituíram os velhos souks (mercados) à volta da Grande Mesquita", explica à AFP.

Nos grandes lugares de peregrinação, como em San Giovanni Rotondo na Itália, em Lourdes na França ou em Nuestra Señora de Guadalupe no México, comércio e fé costumam caminhar juntos.

Mas "é um comércio ligado exclusivamente às lembranças e às oferendas", afirma o professor francês.

A porta de entrada de Meca, a cidade de Jidá, a menos de 90 quilómetros de distância, é o reduto histórico das famílias comerciantes, em parte devido ao seu imenso porto.

Além do hajj, os muçulmanos podem realizar a peregrinação ao longo de todo o ano.

Este turismo religioso contribui com bilhões de euros por ano. O reino rico em petróleo, que busca diversificar a sua economia, aposta nele.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.