As autoridades sauditas nem esperaram o fim da peregrinação para comemorar a receção de 2,35 milhões de fiéis, mais do que no ano passado.

Entre eles, cerca de 1,75 milhão de peregrinos vêm de 168 outros países.

O Ministério do Interior destacou que a peregrinação este ano aconteceu "sem problemas", em termos de segurança, ou sanitários.

"O nosso plano (...) estava à altura dos padrões requeridos", afirmou o coronel Sami al Shueirej, membro do alto comando da segurança geral saudita.

Em setembro de 2015, o desabamento de uma grua perto da Grande Mesquita de Meca deixou mais de 100 mortos, e quase 2.300 fiéis morreram no tumulto, o que rendeu duras críticas à gestão do reinado saudita.

Em abril de 2016, Mohamed ben Salman, filho do rei e homem-forte do governo, divulgou um ambicioso plano de reforma, chamado "Visão 2030", para diversificar a economia, atualmente muito dependente do petróleo. O turismo religioso é um dos objetivos.

"De hoje até 2030, esperamos receber anualmente 6 milhões de fiéis durante a grande peregrinação e 30 milhões para o Umra", a pequena peregrinação que pode ser realizada ao longo do ano todo, declarou à AFP o presidente da Câmara de Comércio e Indústria de Meca, Maher Jamal.

O reino, principal exportador de petróleo do mundo, sofre desde meados de 2014 com a queda dos entradas por causa do colapso dos preços do barril.

"Até a descoberta do petróleo, a peregrinação era o principal recurso da Arábia Saudita", lembra o historiador Luc Chantre, especialista da peregrinação na época colonial.

"Inclusive antes do islão, Meca era uma plataforma comercial. Um lugar de trocas, onde o religioso e o comercial estavam sempre ligados".

- Modernização -

Nos centros comerciais à volta da esplanada da Grande Mesquita de Meca, as lojas vivem lotadas e só fecham à hora da oração, mas voltam a abrir logo em seguida.

Há marcas do mundo inteiro, e inclusive no monte Arafat, onde os peregrinos dedicaram a quinta-feira às preces e às invocações, havia vendedores de tapetes.

"Os gastos dos peregrinos (do exterior e nacionais) poderiam oscilar, neste ano, entre 20 bilhões e 25 bilhões de rials (5,33 bilhões a 6,47 bilhões de dólares), contra os 14 bilhões de rials (3,73 bilhões de dólares) do ano passado", indicou o presidente da Câmara de Comércio.

Cada peregrino gasta milhares de dólares, além das passagens, sobretudo em alojamento, comida e compra de recordações e presentes.

Segundo Jamal, a alta deve-se "ao aumento em 20% no número de peregrinos" este ano.

Em 2013, as obras de ampliação dos lugares santos fizeram a Arábia Saudita reduzir em 20% o número de peregrinos estrangeiros autorizados a viajar. Nos países muçulmanos, a proporção é de um peregrino para cada 1 mil habitantes.

Ria propôs receber mais peregrinos até 2030, por isso, empreendeu grandes transformações arquitetónicas, algumas delas consideradas exageradas.

O projeto inclui uma ampliação das duas mesquitas santas de Medina e Meca.

Para melhorar a circulação dos peregrinos na Caaba (construção cúbica em torno da qual os fiéis dão sete voltas) foram construídos dois patamares sobrepostos, conetados ao primeiro andar por escadas rolantes. Os peregrinos fazem o rito em corredores com ar condicionado ou ventilação.

Em 2010, o país inaugurou uma linha de metro na superfície que une os principais pontos da peregrinação.

Fonte: AFP

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.