As ondas do mar dançam ao ritmo da Morna. Não muito longe, o oceano dá lugar ao Saara. As salinas também marcam a paisagem. E nem as tartarugas resistem à ilha, escolhendo agosto para o pico da desova. Estes são apenas alguns dos muitos encantos da Boa Vista, um destino que vale a pena descobrir.

Praia de Chaves

Boa Vista: um pequeno paraíso entre a praia e o deserto
créditos: Horst/CC BY-SA 4.0

É para muitos a mais bela praia de Cabo Verde e concorrência não lhe falta. Respire fundo e prepare-se para um verdadeiro paraíso, onde reina a tranquilidade. As águas cristalinas convidam a um mergulho ou mais e o extenso areal é perfeito para os adeptos das caminhadas. A dois passos dos resorts, estende-se até Sal Rei e oferece vistas deslumbrantes para riquezas naturais e arquitetónicas.

Praia de Atalanta

Boa Vista: um pequeno paraíso entre a praia e o deserto
créditos: Stanley MacCoy/CC BY-SA 3.0

Um dos mais famosos cartões-postais da ilha e mesmo de Cabo Verde. O responsável é o Cabo Santa Maria, cargueiro espanhol que aqui naufragou em 1968. Estes destroços atraem pintores, fotógrafos e claro que muitos e muitos turistas. A popularidade é tal que o local é também conhecido como Praia Cabo Santa Maria.

Santa Mónica

Com mais de onze quilómetros de extensão, é uma das praias de excelência da ilha. Os surfistas experientes encontram aqui ondas bem desafiadoras, mas no verão, o mar acalma e é possível avistar diversas espécies de aves que caçam onde a água é mais baixa. Na primavera, não raras vezes se conseguem também ver por aqui as baleias.

Sal Rei

Boa Vista: um pequeno paraíso entre a praia e o deserto
créditos: Nick Fewings/Unsplash

Capital, e única cidade da ilha, deve o seu nome às salinas que dominaram a economia local. Para além das praias de Diante, Estoril e Cabral, tem para oferecer uma baía com uma vista deslumbrante. Ao longe, avista-se um pequeno ilhéu com um forte construído pelos portugueses para proteger a ilha dos piratas. Um dos mais importantes marcos arquitetónicos da cidade é o Cemitério dos Judeus, herança da passagem da comunidade judaica em meados do século XIX.

Rabil

Mais para o interior da ilha, esta aldeia é conhecida por ser o centro da produção de peças de artesanato, como jarros, mosaicos ou pequenas tartarugas. Nas suas imediações encontra-se a Praia de Chaves, onde se pode admirar a famosa chaminé que restou de uma antiga fábrica de tijolos que fechou as portas em 1928.

Povoação Velha

Povoação velha

Datada do final do século XVI e a primeira localidade a ser povoada, chegou a ser a capital da Boa Vista, perdendo o estatuto, em 1810, para Rabil. Os turistas são atraídos a esta povoação no sopé da Rocha Estância sobretudo pela Praia de Santa Mónica, mas a vista deve ainda incluir a Capela de Santo António e a Igreja de Nossa Senhora da Conceição.

Deserto de Viana

Boa Vista: um pequeno paraíso entre a praia e o deserto
créditos: Nick Fewings/Unsplash

As dunas de areia esbranquiçada, formadas pelas areias transportadas pelos ventos do deserto do Sahara, vivem lado a lado com uma vegetação escassa e rochas vulcânicas. Esta paisagem amplificada pelo silêncio parece saída de um filme de ficção científica, transportando quem por aqui passa para um verdadeiro planeta distante. Um spot obrigatório, que vale a pena percorrer numa excursão de todo-o-terreno.

Rocha Estância

Rocha Estância

Esta montanha localizada no sudeste da ilha, tem 357 metros de altura e constitui um dos relevos de maior destaque na ilha, atraindo vários viajantes. Protegida como Monumento Nacional, merece uma subida ao topo, de onde se observam, ao longe, a Ilha do Maio e a Ilha de São Nicolau.

Águas cristalinas, areais a perder de vista, observação de espécies e uns traços de história tornam a Boa Vista um destino a considerar nestas férias. Agora que já ficou com uma ideia de um possível roteiro, faça a sua reserva em flytap.com e parta à descoberta desta ilha inesquecível.

Boa Vista ida e volta desde 569€