O Portão Kaminarimon, que conduz até ao famoso Templo Senso-ji, é o melhor ponto de partida para explorar Asakusa. Este é o templo budista mais antigo de Tóquio (data do ano de 645) e, apesar de ter sofrido grandes danos durante a II Guerra Mundial e de ter sido parcialmente reconstruído, ainda conserva muito de sua beleza e estrutura original.

Constituído por um edifício principal e um pagode de 55 metros de altura, o Senso-ji é um verdadeiro símbolo de Tóquio e o centro do turismo em Asakusa. O seu característico portão Kaminarimon (A Porta do Trono), com uma lanterna vermelha gigante, dá as boas-vindas aos milhares de visitantes que todos os dias visitam o local.

Passando pelo portão, entramos no mais antigo bairro comercial do Japão, designado por “Nakamise”. É uma rua ladeada por pequenas lojas de recordações, artesanato e comida e tem uma atmosfera muito especial e colorida.

As lojas e restaurantes que inicialmente se estabeleceram aqui (por volta do século XVIII) serviam os peregrinos que visitavam o templo. Algumas são do período Edo (altura em que o Japão era governado pelos Xoguns). Foram destruídas no terremoto de 1923, e novamente durante a Segunda Grande Guerra, mas voltaram sempre a ser reconstruídas.

Asakusa: o centro histórico de Tóquio onde podemos reencontrar o passado desta metrópole
créditos: Travellight e H. Borges

É o lugar perfeito para comprar um souvenir ou presentes para levar aos amigos e também para experimentar alguns dos petiscos japoneses, como Dango (bolinhas mochi feitas com arroz e com diferentes coberturas doces); Melon-Pan ou pão de melão (um pão doce, que apesar do nome não tem melão na sua composição) e Taiyaki (massa, tipo panqueca, que é despejada dentro de um molde na forma de um peixe e depois recheada com chocolate, creme de baunilha ou matcha).

Taiyaki
Taiyaki créditos: Travellight e H. Borges

Seguindo por Nakamise, chegamos ao Portão Hozomon, que chama a atenção pelo seu telhado de dois pisos. Este portão tem duas imagens do Rei Deva (um guardião), em cada um dos lados.

Atravessando o Hozomon, rapidamente avistamos o templo principal. O atual edifício foi reconstruído em 1958 depois do antigo ter sido reduzido a cinzas num ataque aéreo, durante a II Guerra Mundial. O templo é dedicado à deusa budista Kannon, a deusa da misericórdia.

Omikuji
Omikuji créditos: Travellight e H. Borges

Depois de visitar o templo principal, é engraçado comprar um "omikuji", que é um pedaço de papel com uma previsão do futuro. Se a previsão não for muito boa, devemos amarrar o papel num local designado para este efeito, para mudar o nosso destino.

Em redor do templo principal existe uma bonita área verde e diversos outros templos mais pequenos.

Tóquio
créditos: Travellight e H. Borges
Tóquio
créditos: Travellight e H. Borges

Em Asakusa também vale a pena visitar o Centro de Informações Turísticas e Culturais. O edifício em si é uma obra de arte contemporânea projetada pelo famoso arquiteto Kengo Kuma que projetou o Estádio Olímpico Tóquio 2020, que está agora a ser construído.

O centro tem um café e um terraço de observação no 7 º piso que tem uma vista maravilhosa sobre Tóquio.

Tóquio
Centro de Informações Turísticas e Culturais créditos: Travellight e H. Borges

Sigam as minhas aventuras mais recentes no Instagram e no Facebook 

Artigo originalmente publicado no blogue The Travellight World

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.