O Airbus A330-743 Beluga XL vai transportar as peças da maioria dos aviões da gama Airbus dos diferentes locais de produção do grupo europeu (situados em vários países, como Alemanha, Espanha e Reino Unido) até à fábrica de Toulouse, onde a montagem é realizada.

A aeronave vai substituir de forma  progressiva a atual Beluga ST a partir de 2019 e "faz parte de nosso sistema de produção", indicou Bertrand George, diretor do programa Beluga XL, detalhando a rede de fábricas europeias envolvidas no quebra-cabeça da Airbus, mas que "só estão a duas horas de voo de Toulouse".

"Todos os aviões da Airbus, com exceção do A380, que tem o seu próprio modo de transporte, passam duas horas no Beluga", detalhou George.

A semelhança do Beluga XL com a baleia branca homónima acentuou-se com os olhos do cetáceo e um grande sorriso pintado na parte da frente do avião, uma decoração decidida pelos funcionários do grupo numa votação.

O programa, lançado em 2014, prevê a construção de cinco unidades XL. A primeira vai estar a operar em 2019.

Para realizar esta aeronave de 18,9 metros de altura, 63,1 metros de comprimento e cuja fuselagem tem 8,8 metros de diâmetro, os engenheiros partiram de "uma base de A330, da qual modificamos as asas, os motores e a parte inferior da fuselagem", detalhou George.

"É uma plataforma excelente, uma base robusta", ressaltou, lembrando que centenas de A330 voam diariamente pelo mundo.

Segundo o diretor do programa, o novo avião era necessário para a produção do novo avião de longo alcance A350 XWB, de última geração, que requer materiais compostos.

"Hoje transportamos as asas do A350 XWB uma por uma, amanhã vamos  conseguir transportar duas de cada vez", destacou George.

O voo de teste durou quatro horas. O Beluga XL sobrevoou os Pirineus e parte do Mediterrâneo antes de voltar a Toulouse.

Fonte: AFP

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.