Os manifestantes ocuparam uma área em frente ao clube "Mamita's Beach", um local frequentado por turistas estrangeiros e um dos principais pontos da praia.

O protesto foi convocado pelas redes sociais após a divulgação de um vídeo em que polícias agrediram e prenderam um casal que frequentava o local, mas que não estava a consumir nenhum produto oferecido pelas barracas da área.

"Nasci e cresci aqui e uma vez fui expulsa desta praia com minha família", disse à AFP Martha Enriquez, 60 anos, da cidade vizinha de Puerto Morelos.

"Estamos aqui para dizer que essas belezas também são nossas, dos nossos filhos e netos", acrescentou.

Com cartazes e uma bandeira mexicana, um grupo de pessoas gritou que as praias também são para os habitantes locais e que a sua permanência não pode ser condicionada ao consumo de produtos.

México: habitantes locais protestam contra
créditos: AFP

Após o ataque aos banhistas, o clube de praia pediu desculpas públicas e atribuiu o conflito ao casal que se recusou a retirar-se de um corredor de serviço.

Posteriormente, a empresa afirmou que nenhuma ação ilegal foi tomada, uma vez que a empresa possui uma concessão.

As leis mexicanas estipulam que o acesso às praias não pode ser inibido ou restrito, exceto quando se trabalha com a conservação das mesmas.

Playa del Carmen é um dos principais pontos turísticos do Caribe mexicano, além de Cancún, e é um local frequentado por turistas de várias partes do mundo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.