As autoridades do estado de Victoria pediram nesta quarta-feira medidas mais rígidas devido às variantes britânica, brasileira e sul-africana.

"Essas variantes altamente infecciosas são muito difíceis de conter", disse o primeiro-ministro de Victoria, Dan Andrews, anunciando o encerramento de um hotel em Melbourne, que recebe pessoas em quarentena, após o surgimento de casos de COVID-19.

Na Austrália e na Nova Zelândia, as autoridades começaram esta semana a avaliar os procedimentos e instalações de quarentena. As propostas vão desde a abertura de lojas no interior australiano até a triagem mais frequente e de longo prazo de viajantes estrangeiros.

Desde o início da pandemia, cerca de 320.000 viajantes chegaram pelos portos ou aeroportos da Austrália ou da Nova Zelândia, de onde foram transferidos para hotéis exclusivos, para ficarem confinados 14 dias num quarto.

Em todo o mundo, há países, como Reino Unido, Canadá e Tailândia, que estão a copiar este dispositivo relativamente eficaz até agora.

O ministério da Saúde australiano chamou esse sistema de quarentena de "referência" a nível internacional. Mas tanto na Austrália quanto na Nova Zelândia, dois países que conseguiram conter a epidemia, cada vez mais vozes questionam esse protocolo.

Quando o número de pessoas infetadas no mundo ultrapassou 100 milhões, o número de viajantes portadores do vírus que desembarcaram nestes países também aumentou.

Cada vez mais viajantes contaminados

Somente na Nova Zelândia, nesta quarta-feira, viajantes da Alemanha, Tanzânia e Emirados Árabes Unidos testaram positivo para coronavírus. O que mais preocupa as autoridades é o aumento do número de visitantes com novas as variantes, que sobe para 105 na Austrália.

Alguns contaminaram funcionários de hotéis ou responsáveis pelo seu transporte, assim como outros viajantes em quarentena.

Em vários momentos nos últimos meses, o vírus espalhou-se de hotéis para a população local, forçando milhões de residentes de Auckland, Brisbane, Melbourne e Perth ao confinamento.

No estado de Victoria, quase 1.000 funcionários de três hotéis afetados pelo surto de COVID-19 foram colocados em quarentena.

Poucas pessoas são a favor do encerramento total das fronteiras.

Atualmente, cerca de 40.000 australianos não podem voltar para casa devido ao número limitado de pessoas que têm permissão para voltar.

Novas diretrizes foram adotadas e os funcionários do hotel em quarentena não podem ter um segundo emprego. Os tapetes foram substituídos por vinil, os horários das refeições foram escalonados e há espaços vazios entre os quartos.

A Austrália já identificou locais adequados, como uma base da Força Aérea e um centro de detenção de imigrantes no mar.

Até o momento, a maioria das medidas tomadas no país para combater o vírus, desde o confinamento às operações de deteção e restrições, foram decididas e administradas a nível estadual.

O diretor de Saúde Paul Kelly, que defende o sistema atualmente em vigor, explicou que a abertura de centros em regiões remotas não é isenta de riscos, principalmente em caso de problemas médicos, já que a oferta de atendimento é menor.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.