Um estudo recente da AirHelp, organização mundial em direitos dos passageiros aéreos, analisou as companhias aéreas que rejeitaram erradamente pedidos de compensações de passageiros, devido a perturbações em voos, em 2019.

Examinando 10 das companhias aéreas com maior atividade em Portugal, verifica-se que, em média, 61% dos pedidos de compensações foram injustamente rejeitados pelas companhias, impossibilitando os passageiros de receberem o dinheiro a que têm direito.

Das companhias em análise, a espanhola Vueling Airlines, a irlandesa Ryanair e a britânica EasyJet surgem no topo da tabela pela negativa. Praticamente todos os passageiros que submetem um pedido de compensação válido à Vueling Airlines veem a sua reivindicação rejeitada após a solicitação inicial.

A Ryanair rejeita 98,4% dos pedidos considerados elegíveis, enquanto a Easyjet recusa 87,3%.

A TAP Air Portugal surge em oitavo lugar do ranking português, com uma diferença significativa comparativamente ao top 3: 40,6% dos pedidos de compensação negados injustamente.

Ranking de rejeições erradas - 10 das companhias aéreas com maior atividade em Portugal:

Ranking de rejeições erradas: 10 das companhias aéreas com maior atividade em Portugal
créditos: AirHelp

Carolina Becker, especialista em direitos dos passageiros aéreos da AirHelp, comenta: «Este estudo conclui que as companhias aéreas não estão a ‘jogar limpo’ e, por isso, não é de admirar que 2 em cada 3 passageiros desistam depois do seu pedido de compensação inicial ter sido rejeitado. A investigação da AirHelp sobre o processamento de compensações pelas companhias aéreas expõe a tentativa flagrante das companhias se esquivarem de responsabilidades legais e prova que os passageiros precisam de apoio para exercer os seus direitos».

E acrescenta: «Cerca de 7,6 milhões de passageiros foram afetados por perturbações em voos em Portugal, em 2019, e milhares vão envolver-se em batalhas legais e enfrentar lutas impossíveis para reivindicar o dinheiro a que têm direito".

3 dicas para fazer o seu pedido de compensação:

- Guarde todos os documentos de viagem, pois estes são cruciais se a reivindicação necessitar de assistência jurídica

- Saiba que de acordo com o regulamento europeu EC 261, atrasos superiores a três horas, cancelamentos e impedimentos de embarque podem dar direito a uma compensação de até 600 euros por passageiro

- O pedido de compensação pode ser submetido até três anos depois da data do voo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.