O estudo apurou um nível preocupante de desconfiança relativamente às companhias aéreas: 51% dos passageiros aéreos da UE não confiam que as companhias façam uma gestão justa dos seus pedidos de compensação, submetidos após problemas em voos.

Além disso, 69% dos viajantes europeus acreditam que as companhias aéreas rejeitam mais de 40% dos pedidos de compensação que, de facto, são válidos.

A AirHelp descobriu também que 59% dos passageiros da UE que procuraram compensações diretamente junto das companhias desistiram da sua reivindicação após o pedido inicial ter sido rejeitado.

No entanto, é importante realçar que os viajantes europeus estão protegidos pelo EC 261, um regulamento robusto que salvaguarda os seus direitos em caso de perturbações em voos. A AirHelp conclui que a legislação está a funcionar a favor dos passageiros aéreos da UE, visto que apenas 13% receberam compensações injustas por parte das companhias.

Passageiros forçados a lutar pelos seus direitos

A falta de confiança por parte dos passageiros é fundamentada por dados apurados neste estudo, que concluiu que as companhias aéreas rejeitam, em média, de forma infundada, 58% dos pedidos de compensação. Isto significa que mesmo os viajantes que estão informados acerca dos seus direitos têm de enfrentar uma batalha árdua para garantir o que lhes pertence por direito.

Karin Herbsthofer, especialista em direitos dos passageiros aéreos da AirHelp, comenta: «Os consumidores estão a perder dinheiro que lhes pertence legitimamente, pois as companhias aéreas estão a ser desonestas relativamente aos direitos dos seus próprios clientes. Por isso, não nos surpreende que os europeus tenham tanta falta de confiança nas companhias. O processo de pedir compensações tornou-se tão desencorajador que cerca de 2 em 3 passageiros desistem depois do seu pedido inicial ter sido rejeitado, o que demonstra que muitos se sentem impotentes contra as companhias aéreas. O regulamento europeu EC 261 existe para proteger os passageiros e não deve ser usado pelas companhias para confundi-los e como forma de evitar as suas responsabilidades».

Quais são os direitos dos passageiros?

De acordo com o regulamento europeu EC 261, atrasos superiores a três horas, cancelamentos e impedimentos de embarque podem dar direito a uma compensação de até 600 euros por passageiro. A legislação abrange todos os voos que partem de um aeroporto da UE e todos os voos que aterram em aeroportos da UE, desde que sejam operados por companhias aéreas da UE. No entanto, se a perturbação for causada por circunstâncias fora do controlo da companhia, não serão elegíveis para compensação. O pedido de compensação pode ser submetido até três anos depois da data do voo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.