Durante a apresentação do festival, que decorreu hoje na Associação de Turismo de Lisboa, no Terreiro do Paço, na Baixa da capital, foram revelados os nomes dos chefes internacionais que estarão presentes durante os 10 dias do festival.

Anthony Genovese estará presente no dia 09 de abril, Andrew Wong fará a estreia da cozinha chinesa no festival no dia 11 e Iván Dominguez, no dia 13, fará uma apresentação da ‘cozinha atlântica’ que valoriza uma forte componente de peixes e mariscos.

Duarte Calvão, diretor do Peixe em Lisboa, destacou a continuidade de cinco conceituados restaurantes portugueses com chefes distinguidos com estrelas Michelin.

“Além das alterações na decoração do espaço do Pavilhão Carlos Lopes e das novas três esplanadas ao ar livre, vamos continuar a ter a presença de reconhecidos chefes portugueses entre os quais José Avillez, do restaurante Belcanto, e João Rodrigues, do restaurante Feitoria”, disse.

Das presenças internacionais que estarão na 11ª edição do festival, a organização destacou a eslovena Ana Ros, eleita a melhor chefe feminina do mundo em 2017.

No dia 10 de abril, pelas 19:00, a chefe fará uma apresentação do seu restaurante “Hisa Franko”, que se localiza na zona rural da Eslovénia, a todos os visitantes do festival.

Também presente, o vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Duarte Cordeiro, realçou a importância do evento para o turismo na capital, afirmando que “este é o maior e melhor evento de gastronomia do mar e a afirmação internacional do projeto é, para Lisboa, fundamental do ponto de vista estratégico”.

“A gastronomia e o turismo gastronómico em si permitem criar empregos e valorizar a economia da sociedade”, afirmou.

O autarca aproveitou ainda a ocasião para recordar Açucena Veloso, comerciante do Mercado 31 de Janeiro e fornecedora do festival, que faleceu a 11 de fevereiro num acidente automóvel, por ser uma importante presença desde a primeira edição do festival.

“Esta será a primeira edição do Peixe em Lisboa sem a presença de Açucena Veloso, lembraremos a sua memória e tudo faremos para a honrar, ela que sempre primou por fornecer a este festival peixe da melhor qualidade”, disse.

A pesca sustentável e o consumo de espécies que não estão em risco de extinção são preocupações da organização que, em conjunto com a Ciência Viva e a Docapesca, vão organizar sessões dedicadas ao consumo de espécies não ameaçadas, com grande destaque para o carapau.

À semelhança dos anos anteriores, nesta edição vai repetir-se o “concurso de pataniscas”, a 09 de abril, e “O melhor pastel de nata”, a 11 de abril.

O festival encerra às 00:00, exceto às sextas-feiras e aos sábados, que se prolonga até à 01:00.

A entrada é gratuita para crianças até aos 12 anos, uma entrada de um dia custa 15 euros e uma entrada de grupos de cinco pessoas custa 60 euros por dia.

Lusa

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.