Em causa está um trabalho desenvolvido em parceria: a Divisão de Turismo da autarquia organiza visitas guiadas com um roteiro próprio que pode incluir mais de 20 edifícios com fachadas revestidas por painéis de cerâmica; o Atelier de Conservação e Restauro do Azulejo (ACRA) recupera o património municipal, presta serviços a privados, produz réplicas de substituição e ainda coordena o trabalho de estudantes de Restauro que passam temporadas na cidade a aplicar na prática o que aprenderam na faculdade.

"O que distingue o azulejo de Ovar é a sua quantidade e diversidade", declara à Lusa o vereador local da Cultura, Alexandre Rosas. "No Porto as pessoas veem muitos apontamentos, mas são quase todos na mesma cor, em branco e azul. Aqui, onde quase todas as ruas têm fachadas com azulejo, há muito muita variedade de desenho e usam-se praticamente todas as cores", realça.

Para promover esse património, a Câmara arrancou em 2015 com um programa de visitas guiadas que decorreu apenas de julho a setembro e contou com um total de 102 participantes. Este ano, uma vez implementada a marcação de visitas por telefone, os mesmos circuitos arrancaram em janeiro e, até 4 de agosto, tinham já contabilizado 1.050 intervenientes.

Um deles foi o lisboeta José Berto, que aderiu à iniciativa no âmbito de um programa de visitas organizado pela Ordem dos Engenheiros. Constatou assim que em Ovar "existem muitas fachadas a carecer de restauro", mas o que mais o surpreendeu foi a gama de "técnicas de impressão utilizadas sobre esses azulejos", como a pintura manual livre, o alto-relevo ou o bisel.

Para melhor preservar essa oferta, o ACRA disponibiliza os seus serviços de restauro a privados. "Aceitamos fazer intervenções em edifícios particulares porque, neste caso concreto, promover a recuperação no privado é uma forma de beneficiar o urbanismo público", defende Alexandre Rosas.

Gabriela Ribeiro beneficiou dessa estratégia. Abriu há poucos dias um novo restaurante na rua com mais fachadas incluídas no circuito municipal do azulejo e confessa: "Aluguei este edifício precisamente por estar inserido nesse roteiro, até porque, como produtora de pão-de-ló, sei que se deve aproveitar este potencial turístico".

No exterior, o seu restaurante apresenta-se assim revestido a pequenos painéis cerâmicos estampilhados com motivos vegetativos e geométricos em tons de castanho, bege e amarelo. A brochura do ACRA identifica-os como datados do final do século XIX, enquadra-os no estilo Arte Nova e explica: "O seu padrão principal é conhecido como crochet, foi concebido em França e na Holanda, e depois reproduzido em várias cores nas fábricas portuguesas - que se inspiravam nos catálogos europeus".

Muitos desses azulejos encontravam-se, contudo, danificados, pelo que Gabriela Ribeiro teve que suportar a sua recuperação. "Entreguei o trabalho ao ACRA porque tem um serviço mais económico do que o das empresas da especialidade e praticamente só nos cobra o custo dos materiais - e provavelmente o resultado final até é melhor, por ser a pensar no interesse do concelho", explica.

As alunas do Curso de Conservação e Restauro da Escola das Artes da Universidade Católica do Porto estiveram envolvidas nesse trabalho e retiraram dele particular satisfação. "Pôr em prática o que aprendemos na teoria e poder testá-lo a fundo é uma experiência completamente diferente", afirma Marta Costa.

Grande parte dessa recuperação consiste em restaurar os vidrados que escureceram devido à contaminação por micro-organismos, o que Margarida Castro diz ser consequência da humidade costeira sentida em Ovar, mas a maioria dos danos encontrada nos azulejos locais é reversível, dado que "a dimensão da cidade, mais reduzida, também os preservou melhor da poluição".

É por isso que Catarina Costa está otimista: "Paramos a evolução das manchas com biocidas e procedemos a limpezas mecânicas aquosas e químicas. Recuperamos o possível e, quando não há mesmo solução, temos pessoas a fazer azulejos novos, num trabalho que é muito minucioso, mas que irá manter o padrão pretendido, usando a mesma técnica do original".

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.