Se houvesse apenas uma cidade na bucket list dos casais apaixonados, teria de ser Veneza. Os passeios de gôndola nos canais, os palácios melancólicos, a arquitetura elegante, o ambiente romanesco que se vive em cada rua e viela não dão hipótese mesmo ao coração mais empedernido. É uma cidade em metamorfose constante. De manhã, ao entardecer, com névoa, sol ou chuva, nunca parece a mesma. Sim, é capaz de ser a cidade mais fotogénica do mundo. Tenha muito espaço na memória e bateria no telemóvel, pois é impossível não querer fotografar tudo.

Veneza
créditos: Eduardo Marino

Situada no nordeste de Itália, sobre um grupo de 117 ilhas separadas por canais e ligadas por pequenas pontes, a cidade parece suspensa sobre as águas. Parte é património mundial e prova do engenho do homem, que construiu algo num sítio onde tal parecia impossível. O primeiro impacto é inesquecível, daqueles de abrir a boca de espanto. É como ser transportado para um lugar suspenso no tempo, entrar numa pintura do século XVIII de Canaletto. Pouco parece ter mudado desde então.

Veneza
créditos: Eduardo Marino

Em vez de carros nas estradas, barcos de vários tamanhos e feitios percorrem as centenas de canais. Grande parte da ação na cidade acontece por água: recolha de lixo, entregas nas lojas e restaurantes, serviços de bombeiros e polícia, transporte escolar, as caravanas nos casamentos… e até serviços fúnebres. Há os vaporettos, que fazem o papel dos autocarros; os alilaguna, que funcionam como transfers; os táxis aquáticos, os mais rápidos mas também mais caros (e ao que se sabe sem concorrência da Uber); e as tão famosas gôndolas, o modo mais chique e romântico de se embrenhar pelos canais de Veneza.

Veneza
créditos: Eduardo Marino

Antigamente, as gôndolas eram o meio de transporte da população local, mas hoje em dia servem apenas propósitos turísticos. Prepare-se para preços pouco simpáticos: em média, a fatura fica em 80 euros por cada 40 minutos. Se a sua veia romântica gelou com o que leu, saiba que pode entrar em modo “romântico ma non troppo” e partilhar a gôndola com outras pessoas e reduzir o custo por cabeça. É a forma mais tranquila, e garantidamente sem enjoos, de conhecer as impressionantes fachadas dos edifícios pelo lado dos canais.

Veneza
créditos: Eduardo Marino

Já com os pés assentes em terra, há muito para descobrir. Veneza é a cidade das ruas e vielas estreitas, com edifícios renascentistas que lhe dão um ar de decadência elegante. Para partir à aventura, aconselha-se a ter à mão um mapa daqueles à antiga em papel. Confiar no Google Maps aqui significa muitas vezes acabar dentro de água. É fácil perdermos-nos nas ruas labirínticas, repletas de becos. Mas se calhar a melhor forma de descobrir Veneza é mesmo perdermos-nos nela, sem medos. Não é uma cidade em que valha a pena dar grandes dicas, é uma cidade para cada um viver à sua maneira, em modo de serendipidade.

Veneza
créditos: Eduardo Marino

Quem for do género notívago e se aventurar numa caminhada ao acaso pelas ruas mais distantes do buliço turístico do centro, poderá deparar-se com uma visão surpreendente dos canais, sobretudo naquelas noites em que não corre uma brisa. A quietude dos canais desertos, que reflete nas suas águas imóveis e lisas como espelhos os edifícios e as luzes da cidade, é um espetáculo raro de tirar o fôlego. Somos imediatamente transportados para outra dimensão. Não admira que tantos artistas procurem aqui inspiração.

Veneza
créditos: Eduardo Marino

Mas se há, pelo menos, um local inevitável é a Praça de São Marcos, o ponto central de Veneza, dominado pela Basílica de São Marcos, o Palácio do Doge e o Campanário da Basílica. É o local mais vibrante e famoso de toda a cidade... e (spoiler) o primeiro a inundar-se quando a água sobe no Mar Adriático. Já percebemos que Veneza não é uma cidade barata, mas é na Praça de São Marcos que os preços batem todos os recordes. Tomar um café e uma cerveja, por exemplo, custa qualquer coisa como 30 euros. Mas não olhe para isto como um “roubo”, mas sim como uma experiência. Vale muito a pena, sobretudo quando temos música de uma orquestra ao vivo como banda sonora. Um dos locais imperdíveis é o Café Florian, o mais antigo do mundo ainda em funcionamento.

Veneza
créditos: Eduardo Marino

Se quiser comer, e no caso de não lhe ter saído o Euromilhões, os venezianos aconselham-nos a entrar pelos corredores que desembocam na praça. À medida que nos afastamos do centro, as pastas e pizas, entre muitas outras opções, continuam deliciosas, mas a um preço muito mais em conta.

Mas então se é tudo tão caro, onde ficar? Existem boas opções em Mestre, localidade a 10 quilómetros do centro de Veneza. A viagem é de dez minutos e o bilhete custa 1,25 euros. Expectavelmente, à medida que nos vamos aproximando do centro, os preços vão subindo, até chegar ao hotel mais caro da Europa, o The Gritti Palace, localizado no Grande Canal de Veneza, com uma média diária de 1,17 mil euros por noite em quarto duplo.

Se gosta de fazer compras, em Veneza tem todas as lojas das marcas mais conhecidas… mas podemos deixá-las para outras cidades. Opte antes pelos produtos que só aqui se conseguem encontrar, como os famosos cristais de Murano, ilha que pode ser visitada, fazendo tour à fábrica; ou artigos em renda produzidos em Burano, outra ilha encantadora perto de Veneza a não perder, famosa pelas suas casas coloridas. O seu Instagram vai adorar.

Veneza
créditos: Eduardo Marino

Veneza é uma das cidades mais visitadas do mundo inteiro. Especialmente na época de Carnaval, que representa o grande acontecimento (juntamente com o Festival de Cinema e a Bienal de Arte) que toma conta da cidade. No dia do grande desfile na Praça de São Marcos, que dura algumas horas, milhares de mascarados exibem orgulhosamente as suas luxuosas criações inspiradas nos trajes típicos do século XVIII. Para muitos este representa o culminar de um ano de trabalho, como muitos nos fazem questão de contar, pensado em cada pormenor. Não seja tímido: pode tirar as selfies que quiser, que eles até agradecem pelo aguardado momento de glória em que são o centro das atenções.

Veneza
créditos: Eduardo Marino

Aproveite os preços imbatíveis dos voos para Veneza* da TAP e vá conhecer esta cidade encantadora.

Texto: Eduardo Marino

* Viagem sujeita a alterações, devido à política sanitária do país de destino
Veneza desde 86€