A procura de significado para a nossa existência é algo inato a todos os seres humanos. Alguns dedicam a sua vida à carreira profissional, outros à vida familiar, outros aos seus passatempos, mas o que todos todos em comum é esse factor diferenciado que nos faz levantar todos os dias de manhã.

Essa busca incessante por uma razão de viver é transversal a todas as culturas, mas se há povo que dá especial valor a este conceito é o povo japonês e, por esse motivo, existe até uma palavra que resume este conceito, Ikigai.

Segundo Héctor García, autor do livro “Ikigai: The Japanese Secret to a Long and Happy Life” [O segredo japonês para uma vida longa e feliz, na tradução livre] é uma coisa natural no Japão - eles têm um forte sentido de propósito, dedicação e perseverança.

Durante o período de pesquisa para o livro, Héctor Garcia descobriu que a população japonesa que vivia nas zonas rurais tinham o seu Ikigai mais focado na família e comunidade, correspondendo à ideia de que o Japão é uma sociedade coletiva, com sentido de comunidade e objetivos comuns bem enraizados. Pelo contrário, nas sociedades ocidentais incentiva-se mais o desenvolvimento individual, do ‘eu’, pelo que aí o Ikigai é baseado essencialmente na carreira profissional.

Nas palavras do autor, “saltamos de trabalho em trabalho em busca de mais dinheiro, sempre à procura de ser melhor do que o outro, mas no final sentimo-nos sozinhos. Se, pelo contrário, criarmos um grupo, quer seja no trabalho ou fora dele, se partilharmos interesses com alguém, desenvolvemos uma sentimento de partilha e pertença que nos fará mais felizes”.

Não há outro lugar no Japão onde isto seja mais evidente do que em Okinawa, uma pequena ilha do sul. Os moradores recebem muita atenção por parte de analistas devido aos seus constantes estados de espírito de grande felicidade e a forma como encaram com positivismo o futuro, permitindo assim uma maior longevidade. García acredita, em parte, que o Ikigai tem como base os laços sociais e familiares.

“Não precisamos de ser ambiciosos para sermos felizes, apenas precisamos de muitos amigos para conviver e beber chá. Livre-se das confusões do dia-a-dia e só assim encontrará o seu Ikigai”, explica.

Para Yuta Toga, artista residente em Tóquio, o Ikigai é um processo de edição: “adicione coisas que gosta e exclua as coisas que não gosta. Não faça as coisas com pressa. O seu Ikigai está naquilo de que gosta de fazer todos os dias”.

Noutras palavras, o segredo do propósito da vida está à vista de todos, mas escondido dentro de nós.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.