Subir o Monte Everest é uma tarefa difícil, cara e perigosa que apenas um número limitado de pessoas é capaz de executar. No entanto, mesmo a montanha mais alta do mundo não está livre do lixo. Em 2018, foram recolhidas 8,5 toneladas de resíduos, sendo 2,3 toneladas de excrementos humanos e uma tonelada de equipamentos de alpinismo.

De acordo com informações avançadas pela BBC, a China está a adotar medidas rigorosas para evitar o acúmulo de resíduos na montanha. O acampamento-base no lado chinês do Everest está agora oficialmente fechado para visitantes que não têm as licenças de escalada adequadas. Em janeiro, as autoridades chinesas informaram que iriam reduzir para 300 as licenças anuais que permitem visitar o local.

De acordo com um anúncio feito por Ci Luo, diretor da Associação de Montanhismo da China, relatado pela Fodor’s Travel, os alpinistas serão, agora, obrigados a carregar todos os seus resíduos para fora da montanha, incluindo as fezes. Isto porque o frio e a elevação na montanha impedem a degradação das fezes, que acabam por se depositar no leito do lago, contaminando a água potável.

Embora as novas regras possam parecer rígidas, a China não é o primeiro país a implementá-las. Alpinistas que escalam o El Capitan, em Yosemite, por exemplo, são obrigados a defecar em sacos. Na Antártida, uma proibição similar está em vigor.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.