Bilhete-postal enviado por Susana de Barros

"Agora aguenta coração, eu te avisei, que tinha medo…" Mas tenha calma, que vai andar e é sempre subir - morre calorias, morre! Saia da pasteleiria e dirija-se (à direita) ao Arco da Almedina. A saber: era o local, em que o rio Mondego era a fronteira entre os mundos muçulmano e católico. Continue a subir… e impressione-se, com a Sé Velha… Conselho: existe duas Sés em Coimbra e no caminho entre ambas, há a visitar, e sem pressas o Museu Nacional de Machado de Castro! Se há museu que deve ser visitado, é este! Ali vai-se aperceber de como Coimbra tem mais encanto… (e não, ainda não é hora da despedida!). Pode fazer um intervalo pelo percurso da visita e almoçar lá mesmo, tem um restaurante agradável e em conta. O tio Machado de Castro é um bacano, não oferece o almoço, mas faz um preço simpático!

Continue a subir… e dê um saltinho à outra Sé, mas desta vez à Nova… Pessoalmente gosto mais da Velha (se calhar porque já estou a caminhar para lá… temos que ser solidárias, miúdas!). Bom, mas vamos ao que interessa… e mesmo ali, tu cá tu lá, à Sé Nova está a Universidade de Coimbra, é uma das universidades ainda no activo mais antigas do mundo e a mais antiga de Portugal! Tem 726 anos, desgraçada! Mas garanto-lhe está muito bem, para a idade! Aí o que não faz hoje, a cirurgia plástica? A entrada faz a nascente, pela Porta Férrea e depois de a passar, parece que recuamos no tempo… estamos no Paço das Escolas, com o D. João III a olhar para nós! Por detrás de D.João III… “com licença, dê lá um jeitinho, se faz favor” - o tipo é anafadito… há uma vista sobre rio Mondego, espectacular!

E logo ali à mão de semear está a Biblioteca Joanina. Bom, é de cortar o fôlego, majestosa! Não pela grandeza mas pela delicadeza do detalhe, cheira história, completamente! Ainda, com sorte vislumbrei um morcego, bem escondidinho, que as guias me indicaram onde o malandro estava! Fui a única do grupo que perguntei por eles, isto porque nem toda a gente sabe que eles lá estão, e ainda bem! Porque têm um trabalho muito importante na preservação do espaço… e é, só por isso, que não pagam renda! Depois o percurso segue e termina na prisão académica… ups! Sobe-se as escadas e volta-se à universidade (ui.. até parece que repeti de ano!), isto é, ao Paço das Escolas para continuar a visita. Temos logo em destaque o portal manuelino da Capela de São Miguel, com destaque para o órgão barroco e, que ainda hoje funciona!

A Torre da Universidade, onde está colocada a célebre “cabra”, que marcava as horas do despertar e do recolher dos estudantes. Depois um saltinho à Via Latina para termos acesso à Sala Amarela, à Sala das Armas e à Sala dos Capelos! Ufa… tanta sala… e por fim, mas não menos espectacular ao corredor norte, que nos leva a ter uma visão de Coimbra, ainda a tempo de ver um bocadinho do sol a pôr-se! Lindo!

Oi!? Hã…? Estou ouvir a chamar-nos! Ah é D. Joao III, estar a gritar a mandar-nos embora! Quem nos mandou chamá-lo anafadinho! E Porta Férrea fecha-se.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.