O Jardim Botânico da  Ajuda é muito bonito e é um excelente refúgio em Lisboa. Como refere a sua diretora, Ana Luísa Soares, “é um privilégio porque está num cantinho da Ajuda, com uma vista linda para o rio Tejo. Estamos próximos de museus e palácios na zona de Belém e quem quiser pode subir a Calçada da Ajuda e vir descobrir o encanto deste jardim.”

A descrição de Ana Luísa Soares é fiel ao que se sente quando olhamos para o Tejo do tabuleiro mais alto do jardim. Funciona como uma varanda entre plantas exóticas dos cinco continentes.

Jardim Botânico da Ajuda
créditos: andarilho.pt

A mais antiga é um dragoeiro que por ter quatro séculos precisa de amparo e todos os dias tem a visita dos pavões que acrescentam colorido ao jardim. Mais cores à nuance de tons, consoante a estação do ano.

Jardim Botânico da Ajuda
créditos: andarilho.pt

“Em maio e junho, temos uma alameda de jacarandás em flor que é espetacular. Há ainda o jardim dos aromas que começa a desabrochar. As flores no terreiro inferior também dão grande colorido nesta altura. No inverno também tem o seu encanto com o jardim despido de folhas.”

Jardim Botânico da Ajuda
créditos: andarilho.pt

O tabuleiro inferior é diferente do que tem melhor vista para o Tejo e está preenchido com plantas exóticas. O inferior tem um jardim com flores ornamentais, espaços verdes com desenhos geométricos cujas linhas são quebradas com o estilo barroco da fonte das Quarenta Bicas decorada com serpentes e com vista para o Palácio da Ajuda.

Jardim Botânico da Ajuda
créditos: andarilho.pt

No jardim há ainda a escadaria em pedra trabalhada, com esculturas e o espaço dos aromas, com plantas aromáticas e medicinais.

A área total do jardim é de três hectares e meio, tal como foi criado em 1768, no reinado de D. José e por vontade do Marquês de Pombal. Depois do tremor de terra de 1755 e com a destruição do Paço da Ribeira a corte foi chamada para o Palácio da Ajuda e até foi construída a Real Barraca.

Jardim Botânico da Ajuda
créditos: andarilho.pt

Segundo informação recolhida por Ana Luísa Soares, “o Paço Real era em madeira e a descrição da época diz que se tratava de um palácio luxuoso – foi devorado pelas chamas em 1774.  O jardim servia também de recreio e lazer e dizem que o próprio mestre os incentivava a aprender botânica".

Jardim Botânico da Ajuda
créditos: andarilho.pt

"O jardim teve um papel muito mais relevante na área da ciência e da recolha de materiais em expedições científicas, por exemplo nas antigas colónias".

Jardim Botânico da Ajuda
créditos: andarilho.pt

Logo na sua criação o jardim funcionou como um centro cientifico com um núcleo museológico de ciência natural. Tinha o Museu de História Natural e a Casa do Risco onde desenhadores criavam ilustrações científicas. “Foi um centro pioneiro de conhecimento científico em Portugal.”

Jardim Botânico da Ajuda
créditos: andarilho.pt

A conceção do jardim é do italiano Domingos Vandelli, com formação em botânica e que tinha acabado de conceber o jardim de Pádua. Alguns anos depois, o Marques de Pombal convidou Domingos Vandelli para desenhar o Jardim Botânico de Coimbra com o objetivo de dar apoio à Universidade de Coimbra. “Naquela época a principal utilidade das plantas era para Medicina e Farmácia.”

Jardim Botânico da Ajuda
créditos: andarilho.pt

O Jardim Botânico da Ajuda chegou a ter 5 mil espécies e o museu foi saqueado nas Invasões Francesas.

A tutela do jardim passou por várias entidades e pouco depois da implantação da República ficou ao serviço do Instituto Superior de Agronomia.

Jardim Botânico da Ajuda
créditos: andarilho.pt

Jardim Botânico da Ajuda: o primeiro “Centro de Ciência Viva” em Portugal faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui .

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.