O conflito e as guerras parecem esquecidos e a zona nobre da cidade é ocupada por um  grande lago, Hoan Kiem, tranquilo e cenário para inúmeras fotografias românticas.

Hanói
Foto de noiva créditos: Who Trips

Todos os dias havia, talvez, uma dezena de noivos que faziam do lago a imagem de fundo para a celebração do noivado.
Eram cenas interessantes. Alguns ainda não tinham casado. Era apenas para o álbum de casamento, o que obrigava a uma grande produção. Maquilhagem, troca de roupa, iluminação, material fotográfico.

Hanói
Produção para foto de casamento créditos: Who Trips

Tudo isto feito na rua, nos passeios ao lado do Hoan Kiem.
Os locais nem ligavam muito devido à frequência destas cenas. Os turistas pareciam os mais surpreendidos e sorridentes e até desejavam felicidades aos noivos.

Hanói
Tai chi créditos: Who Trips

Além dos noivos, a zona envolvente do lago era também um ponto de passagem para muitos locais. Alguns faziam exercicios físicos (Tai Chi), outros caminhavam e, poucos, ficavam a contemplar a paisagem ou a ver passar o tempo.

Hanói
Công ty CP Thủy créditos: Who Trips

Num dos extremos havia um bar/restaurante, o Công ty CP Thủy, com decoração antiga no interior e uma esplanada junto ao lago.
Era muito frequentada por turistas e casais locais que por ali passavam para tomar um café ou lanchar.
A vista era bonita, um único senão: a grande quantidade de mosquitos.

Hanói
Ponte no lago créditos: Who Trips

Esta zona do lago tem uma ponte vermelha, que faz a ligação a uma pequena ilha, a Ilha de Jade, onde está o templo Ngoc Son, um lugar de culto.

Hanói
Ngoc Son créditos: Who Trips

A ponte é um dos cenários favoritos para as fotografias. Ao anoitecer esta área ganhava uma bela aura oriental.

Hanói
Tháp Rùa créditos: Who Trips

Em particular o pagode Tháp Rùa (Torre da Tartaruga), que se espelha na água, nos seus doces tons amarelos e que alimentam o mito que lhe deu origem.

Nesta zona, do outro lado da praça, destacava-se um edifício de traça colonial e com uma torre grande.

Hanói
Teatro Aquático de Marionetes créditos: Who Trips

É o Teatro Aquático de Marionetes, uma arte vietnamita que todos os dias é dada a conhecer aos visitantes, com a particularidade de que quem manipula as marionetes está dentro de água.

Muito próximo do teatro, um outro edifício que fazia uma esquina arredondada para a praça. Num dos pisos intermédios havia um restaurante e, no topo, um bar com esplanada.

Hanói
City View Café créditos: Who Trips

O City View Café era um dos lugares preferidos pelos locais e turistas.
A visão do lago é ampla e lá do alto temos um espetáculo incessante: ver como se consegue atravessar a praça no meio da vaga permanente de motas, bicicletas e carros.

Uma travessia que exige muito sangue frio.

Quem atravessa a praça vai dar a outro edifício, onde também há um restaurante com esplanada num dos pisos mais altos e, depois, à Cidade Antiga ou 36 ruas.

Hanói
Cidade Antiga créditos: Who Trips

Lugar de passagens estreitas, cheias de gente, bicicletas, carros... que ocupavam quase todo o espaço disponível porque os passeios estavam pejados com objetos dos comerciantes.
É uma zona comercial há vários séculos, e também de artesãos, em que cada rua tinha uma especialidade.

Hanói
Cidade Antiga créditos: Who Trips

Tem todas as características de uma zona comercial chinesa, com muita gente a andar de um lado para o outro, multiplicidade de cheiros e cores. E a rua e os passeios são também um espaço de comércio, onde se vendem ovos, fritos, vegetais, fruta...

Hanói
Cidade Antiga créditos: Who Trips

As ruas principais, à noite tinham também grande afluência de visitantes. Além das tendas com comida, havia vendedores de artesanato e artistas de rua.

Hanói
Bach Ma créditos: Who Trips

No meio destas ruas está o templo Bach Ma, um dos mais antigos em Hanói e que tem como tema central o mito do cavalo branco que ajudou o imperador a definir as muralhas da cidade.
O templo é pequeno e não é fácil de encontrar.

Muito maior é o mercado de Dong Xuan, um edifício de três pisos que é fascinante visitar pelo frenesim.

Hanói
Dong Xuan créditos: Who Trips

Entravam e saiam dezenas de sacos enormes com vários produtos - sobretudo roupa - e as camionetas no exterior quase que chocavam e atropelavam os desafortunados que por ali passavam ou tinham pontos de venda na rua.

Hanói
Ponte Long Bien créditos: Who Trips

Não muito longe do mercado fica a ponte Long Bien, que foi o único ponto de passagem sobre o rio vermelho durante a guerra com os EUA. Na altura da minha visita era um lugar sem grande interesse e de difícil acesso para peões.

Um pouco longe desta zona do lago, mas que valeu a pena visitar, fica o Templo da Literatura.
Fomos de táxi (não são caros) e do exterior tivemos de imediato a noção de que era grande. Mas os muros escondiam um património muito cuidado, bem preservado e dedicado aos estudos académicos, tendo Confúcio como a figura central.
O templo tem cinco pátios e a área mais deslumbrante é a dedicada a Confúcio, com uma impressionante decoração vermelha e dourada.

Hanói
Bairro Francês créditos: Who Trips

Também a alguma distância do lago está o Bairro Francês, com ruas com muitos prédios de arquitetura colonial francesa, misturados com edifícios de escritórios mais modernos.

Ruas largas e compridas, onde, ao fim de algum tempo de caminhada, se notou o cansaço. O calor não ajudava. Um café de estilo ocidental, com ar condicionado, ajudou a descansar e a relaxar.

Hanoi
Hotéis de luxo créditos: Who Trips

Um dos pontos de destaque do bairro fica na direcção do extremo sul do lago. Aqui também há alguns edifícios modernos com lojas de marcas caras e ocidentais, provavelmente devido à proximidade de hotéis de luxo, como por exemplo o Sofitel, que é majestoso, lindo, com fortes traços da arquitectura colonial. Era também cenário para fotografias de noivado.

Nesta zona o must see, além do Sofitel, é a Ópera. A construção francesa, do início do século XX, foi renovada em 1990 e é espetacular. Vale a pena uma visita, nem que seja apenas aos espaços interiores que circundam a grande sala com 900 lugares. A Ópera é hoje um dos orgulhos da cidade de Hanói e é a sede da Orquestra Sinfónica.

Hanói
Vendedora ambulante créditos: Who Trips

Informações úteis:

A cidade percorre-se bem a pé, apesar do calor. Convém andar com água e proteção solar. Para locais mais distantes, o táxi é uma boa opção porque não é caro.
O único problema que tive foi no aeroporto, em que um dos balcões oficiais de atendimento a turistas chamou um táxi clandestino e que transportou mais um vietnamita. A viagem foi durante a noite, quase 50 km, por estradas muito escuras e não foi um bom cartão de visita. Entretanto, a informação sobre o transporte de táxis parece hoje menos confusa, pelo menos por parte das autoridades oficiais.

Fiquei no acolhedor Meracuse Hotel, muito próximo do lago e numa rua sossegada durante a noite, e de dia com muitos serviços e comércio focado no calçado. Há uma enorme diferença entre o dia e a noite. A relação preço/qualidade do hotel foi óptima e os empregados muito prestáveis e simpáticos.
A restauração é muito variada e a cozinha vietnamita é famosa pela aculturação da culinária francesa. Há restaurantes para todas as bolsas, como também cafés para lanches e uma pausa nas caminhadas.

Veja a galeria de fotos desta viagem ao Vietname

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.