Quando eu era miúda passava uma série de animação na RTP intitulada “As Misteriosas Cidades de Ouro” que contava as aventuras de 3 crianças pelas Américas e pelas antigas cidades Inca. Eu amava aquela série e ficava a sonhar acordada com o dia em que também eu iria partir à exploração daqueles locais.

Quando esse dia chegou, entrei no avião com destino ao Peru e nem queria acreditar - foi seguramente um dos dias mais felizes da minha vida.

Duas semanas para explorar! Mas por onde começar?

Claro que a joia da coroa, aquele lugar a que todos querem chegar, é Machu Picchu, mas até lá há muito chão para percorrer e um dos melhores sítios para iniciar a aventura é o Vale Sagrado.

Vale Sagrado
Vale Sagrado créditos: Travellight

Apesar de ser um vale, este local fica muitos metros acima do nível do mar (2800 m) e muitas pessoas sofrem com os efeitos da altitude. Eu não fui excepção. Pequenas tonturas, cansaço, dor de cabeça e dificuldade em respirar foram alguns dos (ligeiros) sintomas. Nada que um comprimido de paracetamol e um chá de folha de coca não ajudasse a melhorar...

Sim leram bem, chá de folha de coca! A folha de coca é um produto natural (e legal) no Peru que por séculos é utilizado pelos povos andinos para minimizar os efeitos da altitude.

No Peru, o chá de folha de coca é muito comum. Todos os hotéis e restaurantes têm e até no aeroporto de Cusco foi oferecido gratuitamente quando chegamos, para não passarmos mal com a mudança de altitude.

Chá de coca
Chá de coca créditos: Travellight

O povo Inca acredita que as folhas de coca estimulam a energia, porque aliviam o cansaço, a sede e a fome e anestesiam a dor. Por isso, no passado, honravam com estas folhas os seus ídolos, divindades, as montanhas, as fontes e outros monumentos de grande importância.

As folhas de coca contêm diversos componentes químicos conhecidos como alcaloides. O mais conhecido de entre esses componentes é a cocaína, que só consegue ser extraída e purificada depois de passar por complexos processos químicos. É esse alcaloide (puro) que vicia e produz malefícios para a saúde.

Quando visitei o vale era primavera, os campos estavam verdes e por todo lado despontavam flores. Era uma bela paisagem!

Vale Sagrado
Vale Sagrado créditos: Travellight

Aqui, a modernidade e a tradição andam de mão dada. Os habitantes respeitam e preservam o seu passado, continuando a seguir práticas indígenas e festejando datas que por séculos foram consideradas especiais para esta cultura.

Detalhes, como pequenos santuários sobre os telhados da maioria das casas do Vale Sagrado, revelam bem esta dinâmica. Os santuários incluem, entre outras coisas, uma cruz indicando que a família é cristã, touros de cerâmica para dar força e fertilidade, pequenos barris de cerveja de milho para ligá-los aos seus antepassados ​​e um frasco de água benta para santificar a casa.

Santuários
Santuários nos telhados das casas créditos: Travellight

Ollantaytambo é uma das cidades especiais do Vale Sagrado. Fica ao pé de enormes ruínas que compartilham o mesmo nome.

Este é um sítio arqueológico tranquilo, que serve como base para aqueles que estão em rota para Machu Picchu. É um ponto de partida comum para os que percorrem a Trilha Inca, uma caminhada de 43 km que termina em Machu Picchu.

Ollantaytambo foi o lugar onde os incas travaram algumas das suas últimas batalhas, resistindo à conquista espanhola da fortaleza, ainda intacta, e dos terraços escalonados que se erguiam em redor da cidade.

É um dos complexos arquitetónicos mais monumentais do antigo Império Inca e uma das obras mais peculiares e surpreendentes que os antigos reruanos realizaram, especialmente o Templo do Sol e os seus gigantescos monólitos.

As ruas retas, estreitas e pitorescas hoje formam quinze grupos de casas localizadas ao norte da praça principal da cidade, que constituem por si só um verdadeiro legado histórico.

Subir até o topo do centro cerimonial da vila, onde os incas adoravam os seus deuses, oferece-nos uma vista panorâmica incrível sobre o Vale Sagrado e os rios Patakancha e Urubamba.

Ollantaytambo
Ollantaytambo créditos: Travellight

E lá de cima, onde o ar é mais puro e o céu imenso, não consegues deixar de pensar em como nada é eterno. Como grandes impérios se desmoronam e importantes governantes caem em desgraça.

No fim só ficam as pedras…

Ruínas incas
créditos: Travellight

Tenho muito mais para vos contar sobre o Vale Sagrado, mas ficará para outra crónica que poderão ler em breve aqui no SAPO Viagens.

Sigam as minhas aventuras mais recentes no Instagram e no Facebook 

Artigo originalmente publicado no blogue The Travellight World

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.