Poucas cidades conseguem rivalizar com a sua vida noturna. Alguns dos maiores clubes do planeta encontram-se aqui instalados.

As pistas de dança são animadas pelo som de conhecidos DJ’s e em Ocean Drive não faltam restaurantes e bares trendy onde podemos provar novos sabores e cocktails originais.

Miami
créditos: The Travellight World

A par disso, Miami tem uma interessante arquitetura. É talvez uma das cidades mais fotografadas dos Estados Unidos da América e isso prende-se com o facto de ser o lar de uma das maiores concentrações arquitetónicas de Art Deco do mundo.

Cada click da máquina fotográfica é um cartão postal que nos transporta para outra época...

Miami
créditos: The Travellight World

Passear pelo distrito de Art Deco de Miami e olhar para os seus edifícios em tons pastel, com janelas de vigia, curvas elegantes, blocos de vidro, cromados e néons reluzentes é imaginar tempos mais glamourosos onde o Hotel Park Central era um ponto de encontro para estrelas de Hollywood, como Clark Gable, Carole Lombard e Rita Hayworth.

A praia domina a cidade e é o lugar onde os moradores locais e os visitantes vão para socializar, nadar, surfar, correr, ver e ser vistos — ou evitar tudo isso e apenas relaxar e apanhar sol.

Desde a movimentada praia de Lummus Park, que conhecemos bem da TV e do cinema, até à sossegada praia de Crandon Park, em Key Biscayne, as opções são intermináveis.

Miami
créditos: Pxhere

A diversidade cultural em Miami é algo que se vê (e se sente) nas ruas. Cubanos, porto-riquenhos, haitianos, jamaicanos, e tantos outros enriquecem a cidade, com os seus sons e sabores.

Em alguns lugares, é mesmo difícil acreditar que ainda estás nos EUA. Em Little Havana, por exemplo, todos falam Espanhol, até os cães e gatos!

Os cubanos começaram a emigrar para a Florida em 1950, mas seu número aumentou exponencialmente em 1959, após a tomada de poder por Fidel Castro. Em 1960, viviam tantos emigrantes cubanos nesta área que a zona começou a ser chamada de Little Havana.

Por todo lado vemos cor, murais e lindos graffitis. É um local que te deixa com um sorriso nos lábios.

Little Havana
créditos: The Travellight World

Apesar de hoje em dia o bairro ter mais nicaraguenses e hondurenhos, Little Havana continua a ser uma boa (pequena) amostra de Cuba.

A Calle Ocho (Rua 8), a rua principal do bairro, atrai-nos com as suas lojas de artesanato e lembranças e os seus aromas a café e charutos.

A festiva música cubana convida-nos a entrar no bar mais próximo e provar um mojito. Na rua vendedores apregoam a venda de cacahuetes (amendoins) e de sumo de cana de açúcar.

Mojito
créditos: The Travellight World

Para uma maior interação com os locais, é obrigatório parar uns momentos no parque Máximo Gomez e assistir a uma partida de dominó. Quem sabe jogar é bem-vindo às mesas, mas é preciso ser muito bom no jogo para conseguir ganhar aos veteranos.

Ao cair da noite, a atração principal, tanto nas ruas como dentro dos restaurantes, são os espetáculos de dança e os shows de música ao vivo.

Para um programa mais calmo, vale a pena ir até ao norte da cidade de Miami conhecer o Mosteiro de St. Bernard de Clairvaux, um mosteiro espanhol do sec. XII, com uma curiosa história: originalmente edificado em Espanha, o mosteiro foi adquirido em 1925 por William Randolph Hearst, que o mandou desmontar e transportar de barco para a América, para ser reerguido em Miami.

Mosteiro de St. Bernard de Clairvaux
créditos: The Travellight World

O museu de Arte Wolfsonian e o Museu de Arte Bass merecem igualmente uma visita. Quem estiver interessado em explorar a área circundante de Miami pode ir até ao Parque Nacional Everglades ver os crocodilos ou visitar as paradisíacas praias de Florida Keys.

Everglades
créditos: The Travellight World

Não deixe de aproveitar os voos diretos da TAP para este destino e vá descobrir por si mesmo porque chamam a Miami, a Cidade Mágica!

Texto: The Travellight World

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.