“O caminho também é um lugar”. A frase é do escritor José Luís Peixoto, retirada do livro “O Caminho Imperfeito”, e pode muito bem servir de mote para este artigo. Quando se viaja a pedalar, o caminho é saboreado de outra forma e este meio de transporte traz ao viajante grandes vantagens.

“As possibilidades e a liberdade que te dá, o ritmo, a exposição e o preço”, enumera ao SAPO Viagens Rita Miranda que, juntamente com o marido Fernando Santos, está a fazer, uma grande viagem de bicicleta por África – um projeto de vida que podemos ir acompanhando através das redes sociais do Biciculturindo.

“Podes escolher muitos mais caminhos do que poderias, se fosses de automóvel (ou mesmo de mota); tens a liberdade de parar onde quiseres (coisa que de transportes não é possível) e a liberdade de poderes ser tu a resolver os problemas de mecânica”, descreve a viajante.

Viajar de bicicleta
Rita Miranda em viagem créditos: Biciculturindo

“É mais rápido do que andar a pé e lento o suficiente para veres uma minhoca atravessar a estrada; as pessoas ficam muito mais próximas de ti e identificam-se mais; o investimento inicial é bem mais pequeno do que qualquer veículo motorizado e a deslocação é gratuita”, conclui Rita, que nos escreve a partir da Costa do Marfim, na companhia de Fernando e do filho. A família decidiu permanecer no país durante a pandemia de coronavírus.

A liberdade de conseguir parar em qualquer lugar e fazer do caminho a própria viagem é também destacada por Marta Durán, viajante que foi de Lisboa à Guiné-Bissau de bicicleta no ano passado. “Poder parar onde quero, dormir nas vilas mais remotas, contactar com os locais, ao fim ao cabo, estamos tão vulneráveis a tudo que as pessoas se aproximam mais”, conta ao SAPO Viagens a autora do projeto Boleias da Marta.

A pedalar se vai ao longe e estes viajantes são a prova disso
Marta Durán na bicicleta que apelidou de Pegatessu, em crioulo força, coragem, persistência créditos: Boleias da Marta

Desafio, o combustível da bicicleta

“Tudo parece impossível até que seja feito”. A citação de Nelson Mandela também se enquadra muito bem no desafio de fazer uma grande viagem de bicicleta. Afinal, implica um esforço físico considerável, além de outro tempo para viajar, que é medido ao ritmo dos pedais e dos quilómetros percorridos.

Rita começou a cultivar a ideia de viajar pelo mundo de bicicleta após ler o livro “Pedalar Devagar”, de João Gonçalo Fonseca e Valérie Fonseca. “Este casal tinha passado quatro anos a viajar de bicicleta entre Portugal e a China e desde as primeiras páginas que me senti impelida a fazer o mesmo. Na altura, não tinha dinheiro para o fazer e nem sequer sabia andar de bicicleta, por isso querer fazer ‘o mesmo’ parecia um sonho absurdo, até mesmo para mim!”, confessa Rita.

No entanto, a vontade de fazer uma grande viagem a pedalar permaneceu. Rita aprendeu a andar de bicicleta, começou a fazer percursos e competições de BTT, aprofundou conhecimento mecânico e conheceu Fernando com quem dividiu esse sonho que está a ser concretizado desde 2016.

“O nosso objetivo inicial era dar uma volta ao mundo mas, depois de juntarmos dinheiro para viajar durante sete anos, achámos que era melhor pensarmos só em África e Ásia, começando sempre pelo mais difícil”, conta Rita.

Viajar de bicicleta
Rita e Fernando estão a concretizar um sonho através desta grande viagem créditos: Biciculturindo

“Ao fim de quase dois anos ainda andávamos pelo Senegal, quando decidimos ter um filho em viagem, com o objetivo de o ter na Costa do Marfim. Feliz ou infelizmente isso não foi possível e acabámos por ter de regressar a Portugal, eu já grávida de sete meses e meio. Ficámos por aí até o nosso filho ter 10 meses e regressámos à Costa do Marfim com o objetivo de ficarmos parados dois ou três meses, enquanto ele se habituava ao clima, às pessoas, etc. Só que entretanto aconteceu a pandemia e já cá estamos há quatro meses, sem ainda termos tido a oportunidade de nos fazermos à estrada”, conta Rita.

Também o desafio moveu Marta na escolha da forma de viajar. “De avião já tinha viajado anteriormente para a Guiné-Bissau, apenas de transportes a aventura e o desafio não iriam ser tão grandes, à boleia chegaria bastante rápido, então só sobrou a bicicleta que tinha parada na garagem a ganhar pó há uns anos”, refere. “Foi a minha primeira viagem, idolatrava quem viaja por África de bicicleta por achar um gigante desafio e pensei nunca ser capaz até o fazer”, revela.

Volta a Portugal em bicicleta

Inspirados por outros viajantes que percorrem o mundo a pedalar, Nuno Neto e Liliana Freitas, autores do projeto “Do Berço to the World”, começaram esta semana uma volta a Portugal em bicicleta. Mais do que nunca, este é o momento para descobrir lugares menos conhecidos de Portugal e o casal pretende fazer isso mesmo durante a viagem, “com tempo, sem grandes planos”, contaram ao SAPO Viagens. Sem experiência prévia em viajar de bicicleta, os viajantes esperam percorrer “todas as regiões de Portugal”. Pode seguir esta aventura aqui.

Se o desafio é o combustível para pegar na bicicleta e partir, durante a viagem as dificuldades estão sempre presentes.

“Uma das principais dificuldades corresponde também a uma das maiores vantagens, que é a exposição. Não podes propriamente fechar-te atrás de uma porta ou um vidro nem ‘fugir’ ao ritmo que gostarias... Estás ali para o bem e para o mal, para ter um contacto tremendo com as pessoas – o que é maravilhoso a maioria das vezes mas quando não é, estás ali na mesma”, afirma Rita.

“Acho que as maiores dificuldades foram os primeiros dias em que só pensava onde é que me tinha metido, doía-me tudo, desde o rabo às pernas”, recorda Marta.

“Lembro-me da primeira peripécia que foi depois de Sevilha. De repente fura um pneu e eu nunca tinha trocado uma câmara de ar, para quem é ciclista, ao ler isso, isto ri-se porque, de facto, é fácil”, relata. Marta não se deixou intimidar e, em poucos minutos, já estava a pedalar outra vez.

Viagens de bicicleta
Marta Durán em Sevilha créditos: Boleias da Marta

“Apesar do cansaço físico em nada se comparar ao cansaço mental (desengane-se quem ache o contrário), há que o ter em consideração também. Há estradas tramadas que exigem muito de nós e há sempre de haver momentos em que te apetece largar ali a bicicleta e continuar a pé”, observa Rita.

Ainda assim, o esforço compensa: “ficas a conhecer-te melhor do que nunca, os teus limites, as tuas capacidades (que são incrivelmente superiores ao que um dia pudeste imaginar), a ultrapassar, a contornar ou a aceitar os teus pontos fracos, a resolver e a sair de situações que parecem quase impossíveis”.

Ter uma bicicleta e ir

Simples assim. Esta é a primeira dica para quem quer começar a fazer viagens a pedalar. “Todos somos capazes de pedalar até onde quisermos basta uma bicicleta e muita vontade, não precisamos de nada ‘xpto’ e eu fui o exemplo disso”, aconselha Marta, que percorreu o caminho até a Guiné-Bissau, com algumas boleias e transportes pelo meio, numa bicicleta comum “da Decatlhon, das que se vendiam há 10 anos, com amortecedores dianteiros e traseiros, portanto um calhambeque para este tipo de viagem”, descreve.

Viajar de bicicleta
Marta Durán fez a primeira grande viagem de bicicleta de Lisboa à Guiné-Bissau créditos: Boleias da Marta

Rita e Fernando já fizeram mais de 14 mil quilómetros com bicicletas montadas por eles antes de iniciarem a viagem. Para Rita, o mais importante para quem quer começar é saber respeitar o próprio ritmo e ter um bom selim. Aqui estão algumas dicas preciosas partilhadas pela viajante:

  • Respeitem o vosso ritmo. Não tentem fazer das viagens de bicicleta uma corrida ou uma competição convosco próprios (a não ser que seja mesmo esse o objetivo); não é preciso fazer todos os dias imensos quilómetros, é preciso começar com calma e dar tempo a uma boa recuperação diária; se estiverem a viajar com alguém, respeitem o ritmo de quem vai mais devagar, se forçarem essa pessoa a andar mais rápido do que consegue vão acabar por tornar a sua viagem num cansaço tremendo a todos os níveis.
  • Respeitem o vosso corpo. Comer e beber água nunca foi tão importante como o é quando se viaja em bicicleta, porque estamos constantemente a gastar calorias; esta dica parece descabida e demasiado óbvia mas todos nós acabamos por, mais dia menos dia, cair no erro de deixar para mais tarde um snack ou uma refeição porque até nos estamos a sentir bem em cima da bicicleta... e depois pode já ser tarde e haver consequências bem chatas (produção de ácido láctico, insolação, etc.).
Viajar de bicicleta
Rita e Fernando no início da viagem por África créditos: Biciculturindo
  • Selim, o item que mais inquietação causa nas pessoas. Sim, dói nos primeiros dias (muitíssimo do segundo ao quarto ou quinto) mas vai passando e calejando - como em qualquer desporto. Não é o selim mais caro, ou o que o amigo recomendou, e muito menos o mais largo que vai resolver os vossos problemas: cada pessoa tem uma largura específica entre os ossos ísquios, que deve medir para comprar o selim da medida ideal; depois deve experimentar vários dessa medida para perceber se gosta de mais fofo ou mais duro, assim ou assado. Pode demorar anos a encontrar o selim ideal (Nando) ou ser amor à primeira "sentida" (Rita).
  • Ergonomia. Assim como nem todos temos a mesma altura ou estatura, cada bicicleta deve estar corretamente adaptada a cada pessoa. A altura e posições do selim, espigão, avanço e guiador são fulcrais para o sucesso do conforto numa viagem de bicicleta.

Se chegou até ao fim deste texto, provavelmente, também ficou com vontade de sair por aí a pedalar. A fórmula pode passar por: “agarrem na bicicleta que tiverem mais à mão e comecem a pedalar de manhã, almocem onde tiverem chegado e voltem para trás. Vão ver que vão ficar surpreendidos com o que alcançaram”. “Nunca arranjem desculpas porque qualquer pessoa tem em si a capacidade de fazer longas viagens de bicicleta, se essa for a sua vontade”, conclui Rita.

Viagens de bicicleta
Nuno e Liliana começaram uma volta a Portugal em bicicleta créditos: Do Berço to the World

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.