Livrarias e papelarias, assim como lojas de roupa para crianças, reabriram desde terça-feira, mas apenas por dois dias na semana.

No lugar da agitação habitual, os moradores, todos equipados com máscaras e luvas, preparam-se para a fase 2 de contenção, que envolve uma série de medidas para impedir que o surto se propague rapidamente de novo.

Na região de Veneto, cuja capital é Veneza, foram registadas 940 mortes desde o início da pandemia, que matou mais de 22.000 pessoas em todo o país.

Apesar da estratégia bem-sucedida aplicada por essa região desde os primeiros casos, o presidente de Veneto, Luca Zaia, decidiu dobrar a distância de segurança entre as pessoas para dois metros.

Tudo parece indicar que as regras serão rígidas e o fluxo de clientes controlado. A fase 2 significará uma mudança radical nos costumes dos italianos.

Para o livreiro Claudio Morelli, um dos proprietários da livraria Marco Polo, a fase 2 apresenta muitas incógnitas.

"O Estado diz-nos que os livros são essenciais, mas as autoridades regionais dizem: 'são essenciais, mas apenas dois dias por semana'", lamenta.

"Temos pouca informação, muito fragmentada", afirma Elena Franzon, proprietária de uma papeleria, que ainda não foi autorizada a abrir o serviço de fotocópias.

Desde 9 de março o governo italiano impôs medidas rigorosas de contenção para conter a propagação do vírus, o que paralisou boa parte das atividades económicas da península e principalmente do turismo, a maior fonte de subsistência de Veneza.

As autoridades locais criaram uma zona vermelha para internar os doentes e infectados na ilha de Santa Maria de Nazaret, não muito longe da Praça de São Marcos, que já pode ser visitada hoje em dia.

As medidas de contenção afetam toda a população e foram prolongadas em toda a península até 3 de maio, com algumas exceções, dependendo da região.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.