Um estudo realizado pela empresa britânica de construção Travis Perkins, e divulgado através do The Telegraph, revela quanto custaria construir nos dias de hoje atrações como a Grande Muralha da China, o Coliseu de Roma ou o Taj Mahal, na Índia, entre outras.

A mais cara revelou ser a Grande Muralha da China, com um custo avaliado em cerca de 61 mil milhões de euros, e demoraria 18 meses a construir. Tendo em conta que originalmente, e de acordo com historiadores, demorou cerca de dois mil anos, é um prazo recorde.

A seguir, seria o Coliseu de Roma, a custar à volta dos 450 milhões de euros. Mas ao contrário da Grande Muralha da China iria demorar 2 anos a construir.

No terceiro lugar da lista surge o Taj Mahal, na Índia, que, de acordo com a Travis Perkins, iria ter um custo de cerca de 80 milhões de euros e à semelhança do Coliseu também iria demorar 2 anos até estar concluído.

A empresa fez os seus cálculos e estimativas baseando-se nos materiais, mão de obra, ferramentas e técnicas de construção usadas para erguer originalmente os monumentos.

No entanto, a Travis Perkins reconhece que os prazos indicados pela empresa seriam provavelmente ultrapassados, tendo em conta as autorizações e licenças que são exigidas legalmente hoje em dia na construção. Algo que há milhares de anos não era uma preocupação para os países em causa.

Outras das obras que também foram avaliadas neste estudo:
Cristo Redentor, Brasil: 18 milhões de euros/9 meses
Machu Picchu: 18 milhões de euros/1 ano
Chichen Itza: 4 milhões/6 meses
Petra: 1.5 milhões de euros/1 ano

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.