James Hall-Thompson, um piloto de New South Wales, afirma que a Jetstar Airways o retirou de uma fila de emergência por causa de seu braço. Hall-Thompson contou que, depois de estar sentado no seu lugar, uma comissária de bordo lhe pediu para que mudasse de lugar, uma vez que tinham reparado no seu braço e que, por isso, consideravam que não deveria ficar na fila de emergência. O piloto que voltava de um torneio de ténis explicou que seria capaz de abrir a porta em caso de emergência, mas teve mesmo de mudar de lugar. "Fiquei muito envergonhado. A situação foi vergonhosa", afirma o piloto.

Hall-Thompson nasceu sem um osso radial no antebraço esquerdo e passou por uma cirurgia ao pulso para corrigi-lo. Apesar de não ter o polegar esquerdo, o braço e a mão não foram prejudicados. James Hall-Thompson é tenista qualificado e piloto profissional, tendo licença para pilotar a aeronave onde se encontrava, no entanto, não teve oportunidade de se explicar e acabou de ter de trocar de lugar.

Segundo o piloto, citado pelo Daily Mail, sentada ao lado da saída de emergência do outro lado da aeronave estava uma mulher com mais de 60 anos. "Eu não estou a dizer que ela era incapaz de operar a saída, mas se ela era capaz, eu também era", afirmou o piloto.

Hall-Thompson entrou com uma queixa junto à Jetstar e disse que não está à procura de uma indemnização, mas quer que a tripulação seja melhor treinada. "Eu gostava que a tripulação de cabine fosse treinada para entender que uma aparência física não é uma indicação geral da capacidade de alguém".

Numa declaração à Fox News, a Jetstar pediu desculpas pelo incidente. "Há requisitos de segurança rígidos em relação às filas de saída de emergência que são controladas pela Autoridade Australiana de Segurança da Aviação Civil, mas estamos a investigar o que aconteceu nessa situação."

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.