Foto: Michael Siebert@Pixabay

"A caça furtiva diminuiu e o número de elefantes aumentou, e já existem 120 elefantes. Mas a população ainda é muito baixa para ser viável. A introdução de mais 250 elefantes vai mudar o cenário", afirmou Patricio Ndadzela, do Fundo Internacional para a Proteção dos Animais (IFAW) no Malawi.

Os paquidermes vão ser transferidos do Parque Nacional de Liwonde, a mais de 350 quilómetros ao sul, entre 27 de junho e 29 de julho.

No parque nacional de Liwonde, a caça furtiva praticamente desapareceu e os elefantes estão agora em superpopulação.

Outros animais também serão transferidos, como búfalos, impalas e javalis.

Em 2016 e 2017, 520 elefantes foram deslocados do parque Liwonde para aliviar a pressão no habitat e reduzir os conflitos com humanos.

“O número de elefantes aumenta, o que pressiona os recursos naturais do parque e cria situações de conflito com as comunidades locais”, apontou a African Parks, uma organização de proteção à natureza, no mesmo comunicado.

O Malawi é lar de cerca de 2.000 elefantes. O sul da África reúne 70% da população do continente.

Alguns países da região, como o Zimbábue, onde a população de elefantes aumentou e elevou o índice de acidentes fatais com humanos, exigem o levantamento da proibição global do comércio de marfim.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.