O almoço foi servido com a harmonização de vinhos premiados da região da Beira Interior, uma loucuraaaaaaaaa para quem gosta de apreciar as castas por regiões, tipo "euzinha".

Para abrir o apetite, chegou à mesa um amuse bouche repleto de charme em bom gosto, o “Carabineiro com Ar de Amêijoas” fez-me mergulhar no mar em plena Covilhã, a delicadeza do sabor conjugado com o seu aroma, tornou este pequeno prato num momento inesquecível!

Como entrada, um carpaccio de bacalhau laminado com palmitos au sauté, maçã verde e um sorbet de tomate terrivelmente viciante. Um prato elegante! A frescura do bacalhau é esplendorosa e casa na perfeição com o palmito.

H2otel, o paraíso em plena Serra da Estrela
H2otel, o paraíso em plena Serra da Estrela
Ver artigo

Quando pensava que era impossível ficar mais surpresa, eis que surge um risoto com polvo assado, que me deixou com vontade de ir correndo à cozinha, para pedir a receita. As notas de parmesão ficaram uma loucura com o polvo, e a cremosidade deu a verdadeira autenticidade ao risoto.

Como carne, o chef Hugo Araújo nos preparou um angus beef e rabo de boi com batata gratinada em queijo da Serra da Estrela, acompanhado de cogumelos morelles e shitake. A cada garfada, eu só pensava: “Dios mío, estoy en el cielo!” (sim, só consigo pensar em espanhol, o idioma em que fui alfabetizada). A mistura de carnes é tão bem conseguida que fica impossível pensar em uma sem a outra!

E na hora do “bye bye dieta!”, olhei para o prato e morri de pena de mexer em qualquer pedacinho do empratamento. Dava para ver que tudo estava colocado ao pormenor e assim foi! Ravioli de maçã com creme inglês, gelado de nata e canela. Tudo tão suave, com a assinatura da maçã e a canela a brilharem! Das sobremesas com mais sentimento que já provei!

 

Quando o chef sentou à mesa connosco e começou a contar um pouco o seu trajeto, logo entendi tudo! A sua cozinha, ou melhor, tudo o que provei naquele almoço fazia parte dele, de sua história. Foi na Dinamarca, que descobriu a importância de respeitar os sabores. Em África, o reaproveitamento alimentar. E há pouco mais de um ano no H2OTEL encontrou o que todos os chefs estão à procura: “Este ambiente me inspira. Faço muitas corridas e no meio encontro sempre cogumelos e ervas deliciosas. A neve, toda esta paisagem é inspiradora”, me confidenciou.

A intimidade com os tachos começou cedo, os pais trabalhavam muitas horas fora de casa e ele prontamente “pegou” o gostinho pela gastronomia. Estudou na Escola do Estoril e logou passou pela sua melhor lição de vida: “Não seria o que sou hoje se não fosse pela Marinha, onde aprendi a fazer comida portuguesa em qualquer parte do mundo”. Uau, fascinante! Acreditem, o António e eu ficamos deliciados a ouvir as suas histórias e, no final, ainda houve uma troca de receitas. Dei ao chef a minha receita de brigadeiro brulêe, hahaha!

Volto muito em breve, me aguardem!