O Comida de Santo é o restaurante mais antigo de cozinha regional brasileira em Portugal e tem-se reinventado para continuar a ser a segunda de casa de famílias, amigos, colegas de trabalho e casais.

Neste restaurante pode encontrar pratos como casquinha de Siri, vatapá, feijoadas, picanha e os mais recentes da ementa: vaca atolada, escondidinho de carne de sol e o escondidinho de camarão, entre tantos outros. E como qualquer viagem gastronómica não fica completa sem a sobremesa, há quindim, bananada, baba de moça, pudim de aipim com mandioca, creme papaia, entre outras.

As opções são várias e dão-nos a oportunidade de descobrir mais sobre a gastronomia brasileira, popularmente conhecida pela feijoada e pela picanha. Tudo graças a António Pinto Coelho, um português apaixonado pelos sabores e cultura brasileira.

Foi ao ir comprar um chupa-chupa à filha, na altura com dois anos, à mercearia em frente a casa, que a vida de António Pinto Coelho mudou. Na altura, António era diretor de um hotel. Ao ir comprar o chupa-chupa à mercearia, cujos donos já eram velhos, acabou também por comprar a loja que deu lugar ao Comida de Santo.

Há 36 anos, não existiam restaurantes étnicos em Lisboa. “Não era como agora, que estão na moda”, recorda o fundador do Comida de Santo, hoje com 77 anos.

O espaço com capacidade para 30 pessoas respira Brasil. Há fitas do Senhor do Bonfim nas paredes; à entrada, uma baiana debruçada à janela e muito verde, azul e amarelo.

A música também ajuda a recriar o ambiente e, tal como Miguel Júdice, um dos novos sócios do Comida de Santo, explica, reflete os diferentes “brasis”.

A ementa resulta das viagens e descobertas de António que desde 1975 viaja para o Brasil. Com a abertura do restaurante, em 1981, as idas ao Brasil ganharam novo propósito e passaram a servir para aprender a cozinhar pratos brasileiros.

O exotismo é a razão pela qual António apostou na cozinha brasileira, sendo provavelmente a do nordeste, que conta com  a cozinha baiana como "subcozinha", aquela que o tenha mais seduzido. "A nordestina é muito parecida com a nossa. Tem a galinha ao molho pardo que é muito parecida com a nossa cabidela.", explica. "Depois há a cozinha baiana que teve uma influencia muito grande dos africanos que levaram o dende, o óleo de palma. O coco veio da Índia para a Bahia.", recorda António. "A cozinha baiana sofreu essas influencias todas: a africana, a portuguesa e a índia. É isso que a torna tão peculiar".

O Comida de Santo oferece ainda o serviço Me Leva prá Casa, um serviço take-away, que permite aos amantes dos trópicos desfrutarem de todo o sabor no conforto da própria residência ou qualquer outro lugar que escolham. O restaurante oferece também a possibilidade de entregas dos pratos da carta (através do serviço NoMENU) e serviços de catering.

Aos almoços de semana há sempre um prato especial para os almoços de negócios e aos sábados é dia de feijoada, como é tradição no Brasil, reunindo à mesa do almoço família e amigos.


Horário:

Das 12h30 às 15h30
Das 19h30 à 00h00

(Encerrados às terças)

Custo médio:

25 euros por pessoa

Capacidade:

30 pessoas*

Morada:

Calçada Engenheiro Miguel Pais, 39, Príncipe Real

1200 Lisboa

Portugal (Continental)

Contactos:

Tel.: 213 963 339

Email: info@comidadesanto.pt

Website: http://www.comidadesanto.pt/

*Recomenda-se reserva de mesa

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.