Antes de partirmos para a Austrália, tinha ficado combinado que faríamos um ‘bate-volta’ à Great Ocean Road, ficando a dormir em Melbourne, de onde sairia o avião que nos levaria de volta a Portugal. Contudo, Melbourne foi o nosso ponto de partida e em dois dias já tínhamos visitado tudo. Então, durante a nossa estadia em Sydney aconselharam-nos a ficar a dormir a meio do percurso da Great Ocean Road, pois iria ser muito cansativo fazer a viagem de ida e volta no mesmo dia e não iríamos aproveitar esta bela viagem pela estrada mais fascinante da Austrália. E ainda bem que ouvimos os conselhos, que foram 'regados' com a possibilidade de vermos mais coalas.

Então, na véspera da última noite na Austrália, decidimos cancelar a nossa reserva de hotel para Melbourne e pesquisar no Booking as opções. Encontrámos o Curdie River Retreat, mais caro do que as outras opções, mas fomos levados pelo entusiasmo típico de recém casados em fim de férias e marcámos esse mesmo. Custou, na altura, 160 AUD (108 euros), uma noite com pequeno almoço.

Só irão entender o nosso entusiasmo de ficar no Curdie River Retreat se lerem o nosso roteiro pela Great Ocean Road. Vamos tentar expressar-nos aqui da melhor forma: Sabem aqueles momentos em que o Universo conspira a nosso favor para que tenhamos o melhor dia possível? Pois, é desses momentos que escrevemos aqui.

Depois de terminado o percurso escolhido na Great Ocean Road, fomos em direção ao nosso alojamento, que sabíamos à partida que seria isolado. Então munimo-nos com comida de supermercado, com direito a garrafa de vinho, salame, baguete, queijos… e ainda fomos brindados com aqueles sacos de papel, que tantas vezes vimos em filmes americanos e sempre sonhamos em carregar um. Pelo menos era esse o nosso entusiasmo.

Mais uns quilómetros perdidos por estradas inóspitas, algo tipicamente australiano, e lá chegamos ao Curdie River Retreat. Este alojamento em Timboon-Curdievale é nada mais nada menos do que a casa de um simpático casal.

O Curdie River Retreat é o símbolo máximo de aconchego e serenidade. Todo revestido a madeira, com vidros na janela para apreciar a paisagem a partir da sala, aquecedor, cozinha equipada e um teto inclinado no quarto. Durante a noite o silêncio impera e a cada ruído perguntamo-nos se será a visita de um coala ou até mesmo de um canguru. De manhã percebemos que afinal eram só pássaros.

Curdie River Retreat
Ambiente aconchegante de casa de campo créditos: Curdie River Retreat

Mas falemos de outro aspeto importante deste espaço. Os responsáveis do alojamento, que foram muito simpáticos durante a estadia, deixaram-nos o pequeno almoço (ovos, bacon, manteiga, sumo…) no frigorifico. E então o pão? Aí está outra surpresa deste alojamento: O senhor levantou-se mais cedo para fazer o próprio pão e deixou-nos à porta do quarto, gentilmente embrulhado num pano, dentro de um cesto.

Os amantes (como nós) da máquina de café Nespresso irão dar pulos de alegria quando encontrarem uma à vossa frente. Só havia duas cápsulas, mas deixámos um bilhete durante a noite e os caseiros trataram de oferecer mais dois para o pequeno almoço, porque já tínhamos gastado as que lá estavam depois do jantar.

O jantar no Curdie River Retreat é dos que guardamos com mais carinho, por ter sido, sem dúvida, o mais intimista desta lua de mel. Marcante também porque a Ana engasgou-se com um queijo feta e eu não sabia o que fazer, receando ficar viúvo.

De manhã, pudemos apreciar as vistas na varanda da sala e passear pelos espaços verdes do alojamento, até porque tivemos direito a 'late check-out'.

Partimos, com pena de deixar o Curdie River Retreat para trás e por terminar a lua de mel, mas com muita vontade de partilhar com o mundo esta experiência, a mais marcante dos alojamentos.

Descubra mais sobre a Austrália no nosso especial.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.