Suspeito que Carlos Relvas, um inovador e um dos pioneiros da fotografia em Portugal, iria ficar admirado.

Golegã
Fachada da Casa Estúdio Carlos Relvas créditos: Who Trips

Apesar de tudo isto, vale a pena visitar a Casa-Estúdio, na Golegã. E não apenas para os apaixonados da fotografia.

Em primeiro lugar, descobrir Carlos Relvas, uma personalidade do século XIX marcada pela imensa curiosidade e inovação em várias áreas, da agricultura à fotografia, até à invenção de um bote salva-vidas.

Golegã
Jardim e Casa-Estúdio créditos: Who Trips

A fotografia foi uma das suas paixões e alcançou reputação como fotógrafo a nível internacional.
Foi também inventor de algumas câmaras fotográficas, papel para impressão, acessórios e, talvez, o ponto máximo da sua intervenção na fotografia, seja a Casa Estúdio que mandou construir, em 1872, na Golegã. A obra, por ser complexa, durou quatro anos.
O edifício, com decoração romântica, está rodeado de um amplo e bonito jardim e é único no mundo. Na altura, foi distinguido com a Medalha de Ouro pela “distinta” Sociedade Francesa de Fotografia.

Golegã
Piso superior créditos: Who Trips

A casa tem dois pisos e o mais fascinante é o superior, que funciona como estúdio, tirando partido da iluminação natural do Sol.
Uma galeria de vidro, assente numa estrutura de ferro e com cortinas movidas por cordas e roldanas, que regulam a entrada e a direção da luz solar, criam o ambiente natural para fotografar num estúdio. A estrutura permitia ainda o recurso a mais acessórios, como por exemplo cenários fotográficos.

Golegã
Estrutura do segundo piso créditos: Who Trips

Carlos Relvas fez aqui muitos retratos.
No piso térreo situam-se os laboratórios e é onde foi criada uma animação multimédia, uma representação de Carlos Relvas a falar de si e da sua obra.

Golegã
Réplicas de medalhas créditos: Who Trips

No exterior, na fachada da casa, perto de uma das entradas, estão réplicas das medalhas de ouro que alcançou na Exposição Internacional de Paris de 1889 e na de Viena em 1893.

A Casa-Estúdio foi a última residência de Carlos Relvas, foi aqui que faleceu em Janeiro de 1894. De certa forma, a Casa-Estúdio também morreu. Esteve fechada quase um século. Em 2003 teve obras de restauro e começou a funcionar como museu há dez anos.

Golegã
A estrutura de ferro domina as fachadas e as escadarias créditos: Who Trips

Carlos Relvas teve também uma intervenção política, mais nesta zona do Ribatejo, e era monárquico. Um dos seus filhos, José Relvas, foi quem proclamou a República da varanda da Câmara de Lisboa.

Golegã
Interior da Igreja da Golegã créditos: Who Trips

A visita à Casa-Estúdio Carlos Relvas pode ser complementada com os museus da Máquina de Escrever e Martins Correia. A Capela de Nossa Senhora dos Anjos, do século XVII, também merece uma visita.

No Photo! na Casa-Estúdio Carlos Relvas! faz parte do podcast semanal da Antena1 Vou Ali e Já Venho e pode ouvir aqui.
A emissão deste episódio, No Photo! na Casa Estúdio Carlos Relvas!, pode ouvir aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.