A Estação do Rossio não tem a dimensão de gares de Paris ou Nova Iorque mas, certamente com base subjetiva, supera-as com a beleza de um edifício em pedra lioz e com um estilo único.

A fachada é em estilo neomanuelino e o projeto é da autoria de José Luís Monteiro, arquiteto reputado e professor na Escola de Belas Artes de Lisboa, no final do século XIX.

Estação do Rossio
Desnível entre a entrada e o cais dos comboios créditos: andarilho.pt

Segundo Paula Azevedo, arquiteta da Unidade de Património Histórico e Cultural da IP Património, José Luís Monteiro ultrapassou muito bem os desafios e combinou o estilo neomanuelino com outros elementos da linguagem ferroviária.

Por outro lado, a estação vence uma quota muito grande, cerca de 30 metros de altura entre o cais dos comboios, no segundo piso e a Praça dos Restauradores.

Estação do Rossio
Estátua de D. Sebastião que se encontrava na fachada da estação créditos: andarilho.pt

É um dos ícones de Lisboa e alvo de centenas de fotografias diariamente, à procura do detalhe da torre do relógio no centro do edifício, das janelas coroadas por esferas armilares, do espaço onde estava a estátua de D. Sebastião e que foi partida por causa de uma selfie. Um dos pormenores mais fotografo é a portada principal, um duplo arco em forma de ferradura, similar ao túnel que foi aberto até Campolide.

Estação do Rossio
O maior túnel ferroviário em Portugal créditos: andarilho.pt

A abertura ao longo de uma das colinas de Lisboa tem 2.6 km de extensão, é o maior túnel ferroviário em Portugal “e foi aberto num ano à picareta dum lado e doutro”.

Estação do Rossio
De linha internacional passou a servir a Linha de Sintra créditos: andarilho.pt

A Estação do Rossio começou por se chamar Estação Central porque era o objetivo criar no centro de Lisboa uma plataforma ferroviária internacional. Por outro lado, vivia-se uma época de revivalismo. O que explica o desenvolvimento do projeto num estilo arquitetónico nacional (manuelino) e, por exemplo, a colocação da estátua de D. Sebastião.

Estação do Rossio
Estação e Hotel Avenida Palace créditos: andarilho.pt

O projeto integrava também o atual Hotel Avenida Palace. Os turistas tinham uma ligação direta do cais dos comboios para a requintada unidade hoteleira.

Estação do Rossio
Os aposentos reais créditos: andarilho.pt

O rei D. Carlos também tinha os seus aposentos. A sala do rei situava-se no primeiro piso. Era a sala onde D. Carlos esperava o comboio ou descansava após uma viagem.

O conjunto integrava ainda o Largo Duque de Cadaval, a Rua Nova e as rampas para acesso ao piso da gare.

Estação do Rossio
créditos: andarilho.pt

A Estação do Rossio foi na altura inovadora e ao longo do tempo foi sofrendo remodelações e até teve o primeiro centro comercial de Lisboa.

No cais de passageiros foram introduzidas outras peças de arte de estilos muito diferentes da fachada. São painéis em cerâmica que estão colocados nas paredes laterais e que passam despercebidos.

Estação do Rossio
Azulejos de Lucien Donnat créditos: andarilho.pt

Num dos lados, estão 14 painéis redondos da autoria de Lucien Donnat e ao estilo renascentista. Foram feitos para a Exposição do Mundo Português e fabricados na cerâmica Sant’Anna em Lisboa. O Fundo de Exportação ofereceu-os à Companhia dos Caminhos de Ferro em 1940 e representam produtos portugueses como cortiça, porcelanas, café, filigrana.

Estação do Rossio
Azulejo de Lima de Freitas créditos: andarilho.pt

O outro grupo de azulejos são de Lima de Freitas e representam mitos e lendas de Lisboa (Jerónimos e a mão de Cristo; A visão cósmica de Camões, D. Sebastião e o encoberto, Almada neopitagórico, Pessoa e o caminho da serpente). Há ainda outro painel que está ligação do Metro à Estação do Rossio. Chama-se Ulisses e representa a fundação de Lisboa. Estes são mais recentes. Foram colocados em 1995.

Estação do Rossio
A Estação do Rossio está classificada como Imóvel de Interesse Público. créditos: andarilho.pt

A Estação do Rossio está classificada como Imóvel de Interesse Público.

Estação do Rossio - uma das mais bonitas do mundo faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.