Esta cidade costeira localizada junto a uma baía, comprimida entre o mar e as montanhas, tem o condão de espantar aqueles que a visitam pela primeira vez: é como se se pudesse olhar e ver as Caraíbas por uma janela e os Alpes, por outra. Esta dualidade é um dos seus charmes: os amantes do dolce fare niente podem simplesmente aproveitar o sol, os mais ativos têm caminho aberto a explorar uma das muitas levadas e trilhos montanhosos que a ilha tem para oferecer.

A cidade em si, apesar de ser pequena, tem mais de 500 anos de história para contar. Essas histórias podemos recolhê-las em sítios tão variados como a Sé, o Museu de Arte Sacra, ou enquanto caminhamos pela zona do Lido. A lista desses locais preciosos é extensa, mas neste momento vamos sugerir-lhe apenas cinco coisas que pode fazer no Funchal, em lugares tão distintos quanto o Forte do Pico e as Portas Abertas na rua de Santa Maria.

1 – Subir ao Forte do Pico

Oficialmente chamado Forte de São João Baptista, foi construído no século 17 para proteger a ilha dos frequentes ataques dos franceses. Este é daqueles sítios que vale a pena visitar, não só pelas vistas espantosas, mas também porque evoca uma época de piratas e corsários, tempos em que a lei se fazia a bala de canhão. Se vier a pé desde o Funchal entenderá isso melhor, pois há algo de aventureiro em fazer aquela curta, mas acentuada subida, e abordar a antiga fortificação sob o olhar suspeito das antigas armas reais. Mas esse é o preço para apreciar umas das melhores vistas sobre a cidade.

2 – Caminhar pelas levadas

A levada é uma construção feita pelo homem para resolver um problema: fazer a agricultura prosperar numa ilha sem rios. A solução encontrada passou por construir canais que conduzissem a abundante água das montanhas para os campos e as povoações mais abaixo. Com os modernos sistemas de canalização, as levadas perderam grande parte da utilidade, embora continuem a ser muito importantes para algumas aldeias mais isoladas e campos íngremes.

Mais recentemente, as levadas têm-se afirmado pelo valor turístico inestimável e são cada vez mais aqueles que vão à Madeira para as ver. No concelho do Funchal há vários percursos a fazer, destacando-se a Levada dos Tornos, a Levada do Castelejo ou a Levada dos Piornais. Para os amantes da boa e velha caminhada, a atração por estes velhos caminhos é imediata. Alguns trilhos de montanha oferecem vistas de cortar a respiração, e aí é possível sentir-se o poder magnético destas ilhas onde a lava arrefeceu e o fogo deu vida a picos majestosos sobre vilas costeiras.

3 – Visitar as Portas Abertas

A rua de Santa Maria foi até há pouco tempo um lugar desolado, com a maior parte das suas casas abandonadas. Mas, a partir de 2010, essa situação alterou-se radicalmente, quando um grupo de artistas obteve permissão para desenvolver um projeto destinado a tornar esse lugar num espaço mais acolhedor. A sua proposta passou por pintar as portas dos edifícios abandonados, fazendo as cores explodir no quarteirão decadente. Deu-se então uma mobilização espontânea de vários pintores que facilmente escolheram uma porta para pintar. Hoje, Santa Maria é um ponto de atração turístico e está agora cheio de vida e bulício . Vale a pena ir lá, nem que seja “apenas” para ver as portas. Os temas são variadíssimos e vão desde “O Pequeno Príncipe” até cenários da cidade e das suas principais figuras. Algumas são obras de arte por direito próprio.

4 – Tirar uma fotografia à estátua de Cristiano Ronaldo

Este é um dos pontos de interesse mais fotografados de toda a ilha. A estátua do futebolista, da autoria do escultor madeirense Ricardo Veloza, foi inaugurada em 2014 e, desde o primeiro momento, despertou a curiosidade na cidade, mas também na internet. Cristiano Ronaldo nunca escondeu o orgulho pelas suas origens. Por isso, goste-se ou não do resultado final, esta estátua localizada perto da marina do Funchal é um justo reconhecimento por aquele que é hoje o filho mais famoso da Ilha da Madeira.

5 - Visitar forte de São Tiago

Este monumento está situado na parte antiga da cidade e serve como recordação das antigas batalhas navais. Permanece como um símbolo do papel que a ilha desempenhou na defesa do Império português durante os séculos 17 e 18. O visitante precisa apenas de seguir as ruas empedradas para o encontrar e, ao caminhar perto da marina, ele distingue-se bem junto à praia de areias negras. Hoje podemos encontrar no seu interior um museu de arte contemporânea com visitas diárias gratuitas. Apesar da idade, o edifício mantém o seu charme emanando nostalgia, o que para alguns viajantes faz dele o sítio perfeito para se estar.

Por estar localizada numa ilha, a cidade do Funchal sempre foi ponto de passagem de muitas gentes e o seu povo habituou-se desde cedo a receber forasteiros, alguns até mesmo famosos, como o primeiro-ministro inglês Winston Churchill que dedicou algum tempo à pintura durante a sua estada na ilha. Por isso, verá que seguindo as nossas sugestões, ou optando por outras, o Funchal não desilude. Assim, resta-nos desejar-lhe uma boa viagem!

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.