Pensei que iria encontrar um segundo Bagan, mas é tão diferente! A paisagem e a experiência. Só o facto de ter inúmeros templos aproxima estas duas realidades. No entanto, a arquitetura dos templos de Mrauk-U é bem diferente. Portanto, para pessoas, como eu, que achavam que depois de Bagan não fazia sentido visitar este sítio, não podiam estar mais enganadas.​

Mrauk-U fica para lá das montanhas e a cidade assenta no meio de várias colinas que terminam com um templo no topo. A paisagem é verdejante. Os templos são acessíveis através de caminhos desenhados no chão, de outro modo a vegetação é muito densa para lá chegar.

A maior parte das colinas que se erguem entre as casas tem um templo no topo, mas os maiores e mais importantes até estão ao nível do chão. ​É engraçado como uma zona arqueológica como esta está plantada entre as casas das pessoas que lá vivem. E isto permite-nos experienciar o contacto com os locais a cada deslocação, o que é fantástico, já que o caminho é feito entre "olás" acenados às crianças.

Consegue-se imaginar a pedalar por caminhos calmos, com templos a perder de vista, os sons e as cores da natureza, enquanto acena às pessoas simpáticas? É isso mesmo que encontra aqui. Percorra a galeria de fotos e veja algumas imagens do lugar.

Sabia que não era um local muito turístico mas não estava à espera que fosse tão pouco turístico. Dos vários dias em que lá estive, consegui passar alguns sem ver um único turista, a não ser a meia dúzia que estava no hostel. Sim, literalmente meia dúzia. E talvez este seja o facto que faz com que a experiência em Mrauk-U seja única. Já referi anteriormente que no Myanmar os locais cumprimentam os turistas com "olás" e "mingalabars", mas aqui esse "feeling" de genuíno é ainda mais intenso.

As pessoas seguem-te com os olhos, pedem para tirar fotos, algumas mais tímidas tiram fotos à socapa. Outras são convidadas por mim para tirarem a tal foto que vejo estarem mortinhas por tirar.

Houve um dia que estava com uma alemã a explorar uma área da cidade que acredito ser ainda menos turística do que o resto, quando um grupo de jovens se revela muito agitado com a nossa presença. Noto que nos seguem. E penso que seja com o intuito de tirar fotos. E assim foi, no momento possível, paramos e eles abordaram-nos logo para que tirássemos fotos. Várias e com vários telemóveis. Cada um deles tinha um telemóvel, portanto tivemos de tirar fotos com todos.

Outro momento engraçado foi quando estava sozinha num dos templos mais conhecidos e chegou um grupo de 10 estudantes. Não é que tive de tirar selfies com todos eles! Era telemóvel à esquerda, telemóvel à direita, uma azáfama de fotos em que fiquei horrível, mas o que interessa é que eu estava lá. Mais momentos do género aconteceram enquanto percorria as ruas da cidade na minha bicicleta Ympek, a melhor forma de explorar a área.​

Será este o segredo mais bem guardado do Myanmar?
créditos: While You Stay Home

​Mrauk-U também é especial pois não visitei nenhum outro local onde animais, como cabras e galinhas, andassem a alimentar-se livremente entre os templos. É um misto estranho entre cidade e campo com floresta e zona arqueológica.​

​Mrauk-U tem ainda o mais místico nascer do sol. Como a cidade se encontra entre colinas, a neblina matinal fica entre elas muito tempo até desaparecer. A esta neblina junta-se o fumo das várias fogueiras feitas por quem lá vive, já que na maior parte dos locais não há eletricidade. Os locais fazem as fogueiras para o pequeno almoço e para o jantar. Logo, esta mistura de fumos torna este cenário digno de contos de fadas pelo amanhecer e anoitecer. É único. Os templos espreitam por entre a neblina e só os que estão nas colinas mais altas são visíveis. É um momento mágico assim que o sol espreita por entre as montanhas e a neblina se revela. Não é descritível. Tem de ser presenciado, pois os sons envolventes ajudam muito a todo o cenário mágico que se vive.​

Mrauk-U
Nascer do sol em Mrauk-U créditos: While You Stay Home


Os templos são engolidos por musgo e pequenas plantas que se instalam. É um cenário digno de filme e de outros tempos. Mrauk-U é uma viagem ao passado com muita história.

Apesar de haver wifi, ele na realidade não funciona, portanto um cartão com dados é essencial para quem quiser estar conectado e, mesmo assim, às vezes não funciona. É um destino para desconectar do mundo atual. Ainda bem que não é conhecido ou não teria sido tão bom. Fico grata de o ter visitado enquanto é tão genuíno e excitante, acolhedor e simpático. Mais um local que me faz adorar este país e caracterizá-lo como a terra dos sorrisos - os dos locais e o meu.

Será este o segredo mais bem guardado do Myanmar?
créditos: While You Stay Home

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.