Praias

As melhores praias da Tunísia encontram-se aqui. Areias finas e águas azul turquesa garantem banhos de sol intermináveis e mergulhos refrescantes e relaxantes na “ilha das mil palmeiras”.

Merecem destaque Sidi Mahrez e La Seguia.

Sidi Mahrez é o resort de praia mais antigo da ilha e, portanto, o mais desenvolvido. Tem restaurantes e cafés em toda a sua extensão e muitas espreguiçadeiras e chapéus de sol para alugar. A costa arenosa é longa e estende-se por aproximadamente 13 quilómetros até ao cabo de Ras Tourgueness, onde existe um antigo farol.

La Seguia, também conquista muitos banhistas pelas suas águas claras e quentes e pelos restaurantes que, nas suas proximidades, servem marisco fresco, Fica entre Aghir e Ras Lalla Hadria e é uma boa opção para quem procura um local menos concorrido que Sidi Mahrez. Possui uma extensão de cinco quilómetros de areia branca, onde é fácil alugar chapéus de sol, cadeiras de praia e espreguiçadeiras.

Houmt Souk

Houmt Souk é a maior e mais antiga cidade de Djerba. Desenvolveu-se em volta de um importante mercado e ainda hoje, aqui podemos encontrar muitas lojas e bancas de rua que vendem artesanato tradicional, joias, tecidos, tapetes, sapatos, artigos de latão e prata, artigos de couro e cerâmica pintada à mão.
É um labirinto de vielas estreitas, ladeadas por casinhas pitorescas caiadas de branco, com bonitas portas e buganvílias roxas a crescer nas fachadas.
Vale a pena visitar o Museu de Folclore e Arte Popular, que exibe trajes e joias tradicionais, e a fortaleza árabe de Borj el-Kebir, que data do século XIII. Do topo da fortaleza temos vista para o Porto de Houmt Souk e entre o forte e o porto, podemos ainda encontrar um pequeno obelisco que assinala o local onde Dragut, um famoso corsário, ergueu uma macabra pirâmide de crânios.

djerba: uma ilha muito especial
créditos: The Travellight World

Outro ponto de interesse em Houmt Souk são os típicos fondouks, também conhecidos como caravançarais — edifícios medievais que funcionavam como albergues ou estalagens para viajantes e mercadores que atravessavam o norte de África, transportando especiarias e tecidos para a Europa.

Um fondouk típico tinha um pátio grande central e uma série de salas no andar térreo que eram tradicionalmente usadas para acomodar os camelos, cavalos e mercadorias. Era equipado com fontes, para dar de beber aos animais, e balanças para pesar as mercadorias comercializadas. Por cima ficavam os quartos de dormir. Estas casas eram muitas vezes decoradas com luxo e especializavam-se em atrair mercadores de uma origem específica, como judeus, cristãos ou africanos subsarianos.

Hoje muitos fondouks de Houmt Souk, alguns com centenas de anos, foram cuidadosamente restaurados e funcionam como hotéis e restaurantes.

Nefta

Uma viagem à Tunísia não fica completa sem pelo menos dar um passeio rápido pelas areias do deserto do Saara e a partir de Djerba o melhor lugar para o fazer é Nefta.

djerba: uma ilha muito especial

Esta cidade oásis é um importante centro de cultivo de tâmaras e tem uma medina antiga, maravilhosamente preservada, onde um labirinto de ruas revela casas e mesquitas com bonitas cúpulas e minaretes.
A cerca de 15 quilómetros de Nefta existe uma ramificação da famosa região de dunas Grand Erg Oriental do Saara, onde podemos ter um vislumbre da vida no deserto. O impressionante desfiladeiro Selja também é facilmente alcançado a partir daqui.

Quem procura aventura e gosta de atividades ao ar livre não pode perder esta experiência!

Cenários Star Wars: Aijim e Médenine 

Ajim é a terceira maior localidade e o principal porto de pesca de Djerba, mas só ganhou fama mundial quando, em 1976, alguns lugares da cidade foram usados como cenário no primeiro filme da saga Star Wars. As filmagens das ruas de Mos Eisley, no planeta Tatooine, por exemplo, foram gravadas aqui, assim como as da casa de Obi-Wan Kenobi.

djerba: uma ilha muito especial

Os entusiastas da saga também não podem deixar de visitar Médenine, que fica a cerca de hora e meia de Djerba, mas devem ter em atenção que, muitos séculos antes de Star Wars o transformar num fenómeno de popularidade, este local foi um importante ponto de paragem nas rotas das caravanas que partiam para o interior da África.

As famílias semi-nómadas, daquela época, necessitavam de um lugar para guardar os seus pertences enquanto estivessem fora, por isso construíram depósitos semelhantes a colmeias que tinham até 6 pisos de altura. A maioria foi demolida na década de 1960 para dar lugar à expansão da cidade moderna, mas um exemplar, particularmente pitoresco - Ksar Medenine - sobreviveu e a sua originalidade não passou despercebida à produção de Star Wars: The Phantom Menace, que o usou como cenário de algumas cenas do filme.

Gightis não tem nada a ver com Star Wars, mas quem decidir viajar de Djerba até Medenine e quiser conhecer um pouco mais sobre a história clássica da Tunísia, não deve deixar de parar no caminho para visitar esta antiga cidade romana, originalmente fundada pelos fenícios no século VI a.C.
Entre os vestígios arqueológicos mais interessantes de Gightis estão as ruínas de um fórum, as de um templo dedicado aos deuses Apolo, Concórdia e Hércules e as ruínas de um templo dedicado a Dionísio.

Guellala

A aldeia de Guellala é o principal centro de produção de cerâmica de Djerba. A rua principal da aldeia está cheia de oficinas que exibem o seu trabalho aos visitantes. Diz-se que existem cerca de 450 ceramistas a viver e a trabalhar aqui.

djerba: uma ilha muito especial
créditos: The Travellight World

Em Guellala podemos apreciar o processo de criação das peças de cerâmica e descobrir que a argila usada pelos oleiros é escavada em poços de até 80 metros de profundidade, seca por dois ou três dias e depois quebrada e misturada com água (água doce para a cerâmica vermelha e água salgada para a branca). A cerâmica é deixada a secar por 60 dias antes de ser cozida por quatro dias em fornos semi-subterrâneos, nos quais permanece por mais dez dias para esfriar gradualmente.

Tradicionalmente, a cerâmica de Guellala, apresentava-se em potes não esmaltados, modelados em forma de ânforas antigas, mas com o passar dos anos modernizou-se e agora apresenta uma predominância de cerâmicas pintadas com cores vivas.

Chott el Djerid

Chott el Djerid é uma das atrações mais surreais da Tunísia, fica um pouco longe de Djerba, mas vale a pena a viagem para ver esta formação natural bizarra. É uma salina gigantesca que se estende por quilómetros, e a sua superfície é uma crosta de sal branco-azulada cintilante.

djerba: uma ilha muito especial

Em alguns lugares, o sal cristalizou-se em formas bizarras ou em depósitos multicoloridos. Na primavera é possível avistar flamingos que se reproduzem por aqui.

Sinagoga La Ghriba

A Sinagoga La Ghriba, localizada bem no centro de Djerba, é uma recordação da, agora quase desaparecida, comunidade judaica da ilha, uma das últimas comunidades judias que sobrevivem no mundo árabe.
A sua fama resulta do facto de que, alegadamente, a sinagoga contém no seu interior restos do Templo de Jerusalém. Embora não seja particularmente impressionante do lado de fora, merece uma visita pelo seu maravilhoso interior que abriga bonitos painéis de azulejo, vitrais, arcos e colunas.

djerba: uma ilha muito especial
créditos: The Travellight World

Os rolos da Torá mantidos nesta sinagoga estão entre os mais importantes e valiosos do mundo e todos os anos, 33 dias após a Páscoa, La Ghriba é palco da mais importante peregrinação judaica do Magrebe. Historicamente, a peregrinação reunia não só os membros das comunidades locais, mas também judeus do resto da Tunísia e da vizinha Líbia, mas após a maioria dos judeus terem abandonado os países árabes, os peregrinos passaram a ser sobretudo visitantes de França e Israel.

Gastronomia 

Cordeiro e peixe são os ingredientes básicos da deliciosa culinária tunisina que podemos experimentar em Djerba. Outro elemento muito comum nas mesas é o cuscuz, que acompanha todo o tipo de pratos.

djerba: uma ilha muito especial

Salada mechouia com tomate e pimentos é uma entrada apetitosa, assim como os pães e molhos frescos, as sardinhas, os pimentões verdes assados e harissa (molho de pimenta). As tâmaras não podem faltar e as bebidas típicas incluem chá de menta e café turco.

E estes são apenas alguns dos motivos para descobrir Djerba. Deixe-se encantar pela fantástica "ilha das mil palmeiras" e por outras regiões da Tunísia, já no próximo verão, graças às novas rotas da TAP.

Texto: The Travellight World

* Viagem sujeita a alterações, devido à política sanitária do país de destino
Bruxelas desde 34€