Em comboios não precisei pagar nada extra por levar a bicicleta, mas em cada viagem de autocarro tive de pagar um extra para a transportar. É muito fácil ter esta bicicleta como bagagem, pois como é dobrável não ocupa muito espaço na bagagem do autocarro e nunca tive entraves ao seu transporte.

Mas não é de todo normal. Quando dizia que tinha uma bicicleta ficavam surpreendidos e às vezes um pouco atrapalhados pois nem sabiam quanto cobrar extra por a transportar. Em média, pagava 3€ a mais pelo seu transporte, mas havia sítios onde as pessoas ficavam bem confusas e sugeriam preços absurdos. Houve uma viagem que paguei menos de 1€ e outras em que me queriam cobrar quase o mesmo preço do que o que paguei pelo bilhete de autocarro, mas depois de explicar a média de preços que costumava pagar eles cediam sem problema.

Outra parte boa de trazer uma bicicleta é que pude me deslocar das estações de autocarros, que por norma ficam afastadas do centro da cidade, e assim poupar uns trocos com táxis das estações até ao local onde iria pernoitar.​

Viajar com esta bicicleta atraiu muitos olhares. Ouvi muitos elogios e muitos curiosos a perguntar o preço. Por norma, não dizia (não fosse o diabo tecê-las), mas quando dizia as reações eram de profunda surpresa, pois por estes lados é muito dinheiro.​

De bicicleta no Mynamar
créditos: While You Stay Home

Aos mais curiosos dei a oportunidade de pedalar um pouco nela, momentos sempre com sorrisos e muito alegres. Todos gostaram muito da Ympek, até os turistas. Nem dos olhares dos europeus me livrei quando me viam a colocar uma bicicleta na bagageira de um autocarro. Sempre despertou muita curiosidade e tive de contar a minha história inúmeras vezes, o que proporcionava sempre reações de admiração nos ouvintes.

No Myanmar, quem não tem uma bicicleta acaba a maior parte das vezes por alugar uma, portanto, este meio de locomoção no país é bem popular para os turistas. E para mim é o melhor meio para explorar o país. É explorando livremente pelas ruas que fiquei a conhecer os birmaneses como eles são, sem artifícios para os turistas, pois acabei por pedalar em sítios onde mais nenhum turista ia e, como em algumas cidades era a segunda vez que visitava, consegui explorá-las de uma forma bem diferente e mais interessante.

O apoio da cadeia de hostels Ostello Bello também foi muito importante. Foi quando recebi o seu e-mail a congratular pelo projeto e a querer cooperar com ele que me apercebi que esta viagem ia mesmo acontecer. Antes disso, não passava de uma ideia um bocado maluca na minha cabeça. Confesso que tinha bastante medo de algo correr mal por ter uma bicicleta comigo ou que acabasse por ter uma grande despesa com isso, mas a bicicleta não foi de todo um problema.

Sinto que o Myanmar é um bom país para percorrer de forma mais aventureira e, se possível, estarei de volta para conhecer muitos locais que ainda não visitei.

Será este o segredo mais bem guardado do Myanmar?
Será este o segredo mais bem guardado do Myanmar?
Ver artigo

Desta vez o meu favorito foi Mrauk-U, um sítio quase inexplorado pelos turistas. Andar de bicicleta pelas ruas de Mrauk-U foi tão bom, gratificante, recompensador, de uma forma que nenhum outro sítio que visitei conseguiu ser. Estas pessoas não estão de todo habituadas a ver muitos turistas, então andar de bicicleta nas ruas é andar com um sorriso na cara a cumprimentar os locais e ver o quanto eles ficam contentes por receberem um simples "olá" de um forasteiro.

As pessoas querem tirar fotos contigo, tocar-te e riem-se muito quando falamos para elas, um sorriso muito tímido e tão acolhedor. Mrauk-U ainda parece uma terra saída de um filme de outra época, que local maravilhoso e único, apaixonante.

Foi este género de experiência que me fez voltar de novo ao Myanmar e que me faz querer voltar outra vez para explorar estes recantos do mundo ainda tão desconhecidos das massas turísticas. Acabo por me sentir especial aqui. Especial por ter o privilégio de conhecer esta realidade enquanto ela ainda perdura assim genuína da forma que é nos dias de hoje.​

Sempre que dizia que era a segunda vez que estava no Myanmar, recebia reações de admiração. Estou pronta para ver as reações quando disser que estou lá pela terceira vez!

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.