Atrás de uma tela de acrílico projetada para protegê-lo dos germes dos visitantes, o Pai Natal explica que 2020 será um ano duro para ele e para as renas.

"Foi um ano excepcionalmente difícil", afirma, em entrevista à AFP da sua caverna em Rovianiemi, na Lapónia finlandesa, sob o círculo polar.

Rovaniemi: visita à casa do Pai Natal
Rovaniemi: visita à casa do Pai Natal
Ver artigo

"Este ano, as pessoas pediram-me, sobretudo, felicidade, saúde... e uma colherada a mais de felicidade", embora as crianças continuem a pedir brinquedos e jogos, conta ele.

Devido às restrições, o parque de diversões "Vila do Pai Natal", a residência oficial, viu as multidões de outros anos nesta época do ano reduzirem-se a um pequeno número de intrépidos. Algumas dezenas de pessoas, quase o mesmo número de funcionários, visitam esta paisagem nevada.

Terra do Pai Natal prepara-se para inverno turístico mais frio e solitário
Terra do Pai Natal prepara-se para inverno turístico mais frio e solitário
Ver artigo

"Normalmente, haveria milhares de pessoas, mas estamos globalmente sozinhos", observa Teppo Karjalainen, que chegou do sul da Finlândia com a mulher, Andrea, e os dois filhos.

A Finlândia foi fechada para viagens não essenciais, e os voos charter de três dias autorizados excepcionalmente para salvar a temporada não trouxeram muitos estrangeiros.

Não há filas e alguns dos visitantes até têm a sorte de conversar um pouco com o Pai Natal, o que, considerando-se que o bilhete custa 79 euros, não é muito.

De milhares a dezenas de visitantes: COVID-19 deixa Pai Natal quase sozinho na Lapónia
Este ano, o Pai Natal fala com os visitantes através de uma tela de acrílico por causa da pandemia. Este é o escritório do Pai Natal. créditos: Kaisa Siren / Lehtikuva

Em 2019, os turistas passaram 2,9 milhões de noites em hotéis na Lapônia finlandesa, da qual Rovaniemi é o centro turístico. Este ano, porém, o número teve de ser dividido por seis, e a maioria foi no início de 2020, antes da chegada do vírus.

"As comunidades locais estão realmente em risco", diz Sanna Kärkkäinen, presidente do escritório de turismo, que aponta que 5.000 empregos foram destruídos, e 700 milhões de euros deixaram de entrar, devido à COVID-19.

"Já nos informaram das primeiras quebras, e haverá outras", prevê.

Na ausência de visitantes, o parque de diversões concorrente, "Santa Park", decidiu suspender a temporada e preparar-se para abrir no próximo inverno de 2021. Reduziu mais de 90% do seu quadro de funcionários e deve anunciar mais cortes, porque o hotel que permaneceu aberto também encerrará prematuramente a temporada.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.