Em maio de 2018 já será possível visitar os destroços de um dos navios mais famosos do mundo. A empresa britânica Blue Marvel Private vai organizar viagens aos destroços do Titanic, o maior navio do mundo à data, que naufragou a 15 de abril de 1912.

Os passageiros serão transportados num submarino construído em titânio e carbono que parte de Terra Nova, no Canadá, até aos destroços do navio, que se encontra a mais de 600 quilómetros a sudeste desta província, no oceano Atlântico.

A mais de 3.500 metros de profundidade, os turistas poderão explorar as várias secções da embarcação bem como o campo de detritos onde se encontram milhares de objetos que se mantiveram intactos.

Os três mergulhos (planeados para três dias diferentes) terão a duração de três horas. Ao longo da descida de 90 minutos será também possível observar a bioluminiscência, emissão de luz por organismos vivos. Os viajantes (ou “Mission Specialists”, como serão denominados) receberão formação de forma a poder prestar apoio à tripulação na procura de artefatos ainda não encontrados.

97 mil euros por pessoa

O custo da expedição será de cerca de 97 mil euros por pessoa mas a Blue Marble assegura que a viagem inaugural já está esgotada. Este era, aliás, o preço de um bilhete só de ida em primeira classe em 1912, refere a empresa.

Uma outra empresa, a Bluefish, anunciou recentemente que também está a preparar viagens aos destroços do Titanic em 2018/2019 mas ainda não foram revelados mais pormenores.

Os restos do navio britânico foram encontrados em 1985 por uma equipa de investigadores liderada por Robert Ballard. A embarcação foi construída nos estaleiros de Belfast, na Irlanda do Norte, onde é possível visitar o museu dedicado à curta, mas muito famosa, história do navio.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.