Texto e fotografias por Pedro Neves

Visto de fora, o Mariposario del Drago não parece ser tão grande que leve alguém a pensar que irá querer demorar-se duas horas numa visita, mas foi o que aconteceu comigo. O desnível do edifício em relação à rua, que ajuda a disfarçar a sua verdadeira dimensão, é um dos motivos. O outro são as 800 borboletas que voam pelo seu espaço, um número impressionante que faz com que exista quase sempre uma borboleta em qualquer direção ou superfície onde o olhar repouse.

O Mariposario está situado em Icod de los Vinos, uma pequena cidade na costa norte de Tenerife que já faz parte do roteiro obrigatório de uma visita à ilha por conservar a árvore mais célebre das Canárias, um dragoeiro ("drago" em espanhol) com 800 anos de idade.

Trata-se de um dos maiores borboletários do sul da Europa (o maior do continente também fica em Espanha e é o Mariposario de Benalmádena, perto de Málaga). O seu interior consiste num jardim tropical dominado por pequenas árvores e vegetação viçosa onde a umidade relativa ronda os 80% e a temperatura oscila entre os 24 e 29 graus centígrados.

É um ambiente artificial inteiramente regulado a pensar no bem-estar das borboletas, que ali chegam ainda sob a forma de crisálidas, tendo sido criadas em cativeiro em lugares tão longínquos como as Filipinas, Malásia, Costa Rica, Belize e o Quénia. Depois de chegarem por correio, as crisálidas são penduradas em pequenas vitrines onde as borboletas eclodem à vista dos visitantes. Uma vez no jardim, alimentam-se do néctar que lhes é preparado diariamente em laboratório.

Borboletas na cabeça

São 150 espécies de borboletas, mas não há dúvida sobre aquela que rouba mais “uaus”: a borboleta imperador (morpho peleides, no seu nome científico), uma espécie nativa da América Central. No Borboletário Tropical de Constância, que o SAPO Viagens já visitou algumas vezes, e onde também existem alguns exemplares, é descrita informalmente como a "borboleta azul", devido ao tom iridescente das suas asas abertas.

Em Constância, se basta um exemplar para hipnotizar o olhar, multiplique-se o efeito por dezenas (se não forem centenas) de borboletas da mesma espécie a abrirem e fecharem as asas, e temos uma ideia do que o Mariposario del Drago reserva aos seus visitantes.

Não é apenas um espetáculo de cor. No borboletário ribatejano, a borboleta parece impaciente por escapar aos olhares admirados dos visitantes. Em Tenerife, onde está em maior número do que as pessoas, somos nós que parecemos ser motivo de curiosidade, ao ponto de algumas das "imperadoras" pousarem nas cabeças dos visitantes – uma autêntica coroação pela Natureza.

Borboletas no Mariposario del Drago
Uma borboleta imperador pousada na cabeça de um visitante créditos: Pedro Neves (imagem parcialmente processada)

Como visitar

O Mariposario del Drago está aberto todos os dias do ano, entre as 10h e as 18h30, e vale a pena chegar cedo para apreciar as suas "flores voadoras", pois não há tempo limite para cada visita. Para mais informações sobre horários e bilheteira, consultem a página oficial do borboletário.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.