É na ilha italiana da Sardenha, no meio do Mar Tirreno, que os pastores produzem casu marzu, um queijo infestado de larvas que, em 2009, o Recorde Mundial do Guinness proclamou como sendo o queijo mais perigoso do mundo.

As moscas-do-queijo (Piophila casei) colocam os seus ovos em rachaduras que se formam no queijo, geralmente no fiore sardo, um queijo firme da ilha italiana da Sardenha, feito com leite de ovelha. As larvas eclodem e abrem caminho através do queijo, digerindo proteínas no processo e transformando o produto num queijo muito cremoso e macio.

Em seguida, a queijeira abre a tampa - quase intocada pelos vermes - para tirar uma colher do queijo cremoso e, nesse ponto, as larvas começam a contorcer-se freneticamente. Alguns moradores giram o queijo numa centrífuga para misturar os vermes com o queijo, outro preferem ao natural.

Apesar de não ser para fracos de estômago, o queijo tem um sabor intenso que lembra as pastagens mediterrânicas e picante com um gosto residual que dura horas. Alguns dizem que é um afrodisíaco, no entanto, muitos defendem que o queijo pode ser perigoso para a saúde humana, já que larvas podem sobreviver à mastigação e criar miíase e microperfurações no intestino, mas até agora, segundo a CNN, nenhum caso desse tipo foi detetado relacionado ao casu marzu. Embora o queijo tenha sido banido da venda comercial, os habitantes da Sardenha comem este tipo de queijo há vários séculos.

Casu marzu é registado como um produto tradicional da Sardenha e, portanto, é protegido localmente. Mesmo assim, foi considerado ilegal pelo governo italiano desde 1962 devido às leis que proíbem o consumo de alimentos infectados por parasitas. Aqueles que vendem o queijo podem enfrentar multas altas de até € 50.000, "mas os habitantes da Sardenha riem quando questionados sobre a proibição do seu amado queijo", escreve a CNN.

Em 2005, investigadores da Universidade Sassari da Sardenha criaram moscas em laboratório e fizeram-nas infestar o queijo para mostrar que o processo pode acontecer de forma controlada e os ilhéus esperam que a lei possa ser alterada.

O mundo inteiro no seu email!

Subscreva a newsletter do SAPO Viagens.

Viaje sem sair do lugar.

Ative as notificações do SAPO Viagens.

Todas as viagens, sem falhar uma estação.

Siga o SAPO nas redes sociais. Use a #SAPOviagens nas suas publicações.