O ponto de encontro é no largo do pelourinho. Aguardam os comerciantes e ajudam a passar o tempo.
Foi assim que conheci Albertina Mendes, que passou grande parte da vida a trabalhar para o último morgado de Idanha-a-Velha, António Marrocos.

Idanha a Velha
créditos: andarilho.pt

Sentada numa das pedras do pelourinho e na presença de alguns vizinhos, contou-me que no tempo em que eu me criei andava tudo a trabalhar para o Marrocos. Havia pouca agricultura. Nós não tínhamos horta. Era tudo dele, não havia hortas, batatas...”

Idanha a Velha
Casa Marrocos créditos: andarilho.pt

Albertina acrescenta que, na altura, as condições de vida “eram muito más. Sabe quantos anos eu tinha quando comecei a trabalhar? Nove. Casei-me com 17 anos e sabe quantos quilos eu tinha? 43!”.  Curiosamente, conclui que desse tempo não tem saudades nem pena porque “aprendi muito no campo. Graças a Deus sei fazer tudo.”

Idanha a Velha
Casa Marrocos créditos: andarilho.pt

Albertina Mendes estava sentada na base do pelourinho virada de frente para a grande Casa de Marrocos que levou mais de 30 anos a ser construída e nunca foi acabada. Tem um delicado trabalho em cantaria de granito.

Idanha a Velha
Casa Marrocos créditos: andarilho.pt

“Quando era rapariga levei para lá muita água, para os pedreiros.” Agora, a casa continua a reunir a atenção dos residentes devido à expetativa de vir a ser restaurada para um projeto turístico. Tem demorado, uma expetativa que se arrasta há anos e que ainda persiste.

Idanha a Velha
antiga Sé Catedra créditos: andarilho.pt

Percorremos as ruas de Idanha-a-Velha e sente-se a frieza das pedras das ruas e das casas porque não há pessoas. No verão regressam alguns emigrantes e alguns turistas vão descobrir o património da antiga Egitânia, em particular a antiga Sé Catedral.

Idanha a Velha
créditos: andarilho.pt

Após a passagem da bonita porta Sul que ainda mantém o arco, podem-se fazer passeios ao rio Ponsul e à ponte romana. Mais recentemente foi criado um núcleo museológico e o Lagar de Varas para visitação.

Idanha a Velha
Lagar de Varas créditos: andarilho.pt

É um ambiente completamente diferente da rotina de há algumas décadas em que chegava gente de fora, mas era para trabalhar ao lado de Albertina. “Eu trabalhei com muitas raparigas de Monsanto. A sachar trigo, milho, feijão, grão... Ele (Marrocos) colhia tudo porque tinha muitas pessoas ao mês e ao ano.  Nós tínhamos o pão, o azeite que eram três litros e depois passou para cinco. Dos cinco litros de feijão passou para meio alqueire (sete litros) e dava-nos a casa. Era tudo incluído no ordenado”.

Idanha a Velha
créditos: andarilho.pt

A desertificação começou em meados da década de 50. “Na geração dos meus filhos foi quase tudo embora. Mais para Lisboa. Para o estrangeiro foram poucos.” Um idoso que também participava na conversa era dos poucos que tinha familiares fora de Portugal.

Idanha a Velha
créditos: andarilho.pt

São poucos os residentes, cerca de meia centena, mas as casas estão todas ocupadas e nota-se que a grande maioria foram recuperadas mantendo o xisto e, maioritariamente, o granito.

Idanha a Velha
créditos: andarilho.pt

“As casas eram todas da família Marrocos. A gente trabalhava para eles. Ele faleceu e o filho vendeu. A gente comprou e cada um arranjou a sua casa. As pessoas arranjam e põem as coisas logo à antiga.”.

Idanha-a-Velha voltou também a ter um café. Está também ao lado do pelourinho. Algum tempo atrás, o café era na antiga Casa da Câmara que ainda hoje se revela robusta, em granito, apesar de ter deixado de ser sede de concelho há cerca de 150 anos.

Idanha a Velha
Idanha-a-Velha e ao fundo o alto de Monsanto créditos: andarilho.pt

“Foi uma escola, mas foi apanhada no 25 de Abril. Pelo povo, para fazer um café que não havia. Fez-se o café e as pessoas arranjaram o interior. A minha escola foi aqui, depois arranjou-se o café, depois o café era o centro de dia. Nós apanhámos isto, mas depois ele deu-nos. Para os idosos e em cima para livros. Entretanto fechou, está tudo fechado.”

Idanha a Velha
Igreja Matriz créditos: andarilho.pt

A casa fica ao lado da igreja Matriz e em frente do pelourinho. É aqui que continuamos à espera do vendedor de fruta e, no final da rua, próximo da Torre Templária, uma vizinha já apareceu várias vezes a perguntar se ele já chegou.

Idanha a Velha
Ponte Velha créditos: andarilho.pt

Albertina explica-me a rotina: “este senhor vem nas quintas feiras. Veio na semana passada e tem lá muito que fazer porque é tudo colheita dele. É de Alpedrinha. Há umas pessoas que abalam para Lisboa e estão à espera dele para levarem fruta e outras encomendas. Também cá vem o pão, de Penha Garcia e ontem, quinta feira, esteve o homem do peixe.”

Idanha a Velha
créditos: andarilho.pt

Em dias soalheiros, o sol aquece os corpos e as pedras e os vendedores sabem qual o ponto de encontro. Não precisam de assinalar com a buzina do carro que já chegaram e esperam pelos fregueses.

Idanha a Velha
créditos: andarilho.pt

Quinta-feira é dia de ir a Idanha-a-Velha faz parte do programa da Antena1 Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.