Só para dar alguns exemplos do catálogo de tapeçarias encontramos nomes grandes das artes em Portugal como Almada Negreiros, Vieira da Silva, Carlos Botelho, Júlio Pomar e Eduardo Nery.

São peças de arte deslumbrantes, algumas de tamanho muito grande e quase todas peças únicas. São produzidas na Manufactura de Tapeçarias de Portalegre a partir de um original feito por um artista plástico. É um trabalho demorado e complexo.

O ponto de partida é um desenho do pintor, é, depois, ampliado e, mais tarde, reproduzido pelas tecedeiras.

O trabalho é todo manual e a matéria prima é a lã com uma paleta de mais de 7 mil cores. A arte exige muita paciência e saber. As tecedeiras têm formação mais prolongada do que uma licenciatura.

Museu da Tapeçaria de Portalegre
créditos: Who Trips

O resultado final na generalidade das tapeçarias é uma grande variedade de cores, tonalidades que se alteram gradualmente. É, aliás, frequente, conforme testemunha Hélder Faria, técnico do museu, que alguns pintores gostam mais da tapeçaria do que do trabalho original que eles produziram. Ele próprio, que já conhece muitas peças da Manufactura, tem um fascínio especial por algumas obras.

Museu da Tapeçaria de Portalegre
"Biblioteca" de Vieira da Silva créditos: Who Trips

Uma delas é de Vieira da Silva. É a Biblioteca e “é o trabalho mais complexo que o museu tem exposto”. Outra peça de arte que destaca é de João Tavares, a Proclamação da Independência.

Museu da Tapeçaria de Portalegre
Excerto da obra Proclamação da Independência de João Tavares créditos: Who Trips

O trabalho de João Tavares é de 1947 e foi a primeira tapeçaria da Manufactura feita com o ponto inventado pelo engenheiro têxtil Manuel do Carmo Peixeiro.

A inovação aliou-se ao empreendedorismo de Guy Fino. Com a colaboração de vários pintores nacionais, a empresa ganhou reputação internacional. Por exemplo, Júlio Pomar, no segundo ano da Manufactura, já estava a produzir a tapeçaria “Bela Aurora”.

A França e a Bélgica dominavam o mercado das tapeçarias de arte e a Manufactura de Portalegre conseguiu adquirir estatuto igual.

Museu da Tapeçaria de Portalegre
Uma tapeçaria francesa e outra de Portalegre (do lado direito). Jean Lurçat considerou a da Manufactura superior créditos: Who Trips

Até superior, na opinião do artista francês Jean Lurçat que teve papel relevante no renascimento da tapeçaria contemporânea e que até ao final da sua vida encomendou as suas tapeçarias em Portalegre.

Hoje em dia, é também por encomenda a maioria das peças produzidas.

Museu da Tapeçaria de Portalegre
Eduardo Nery créditos: Who Trips

Nestes 70 anos de actividade, a Manufactura de Tapeçarias de Portalegre já produziu obras de mais de duas centenas de pintores nacionais e estrangeiros. São tapeçarias com séries limitadas de 1, 4 ou 8 exemplares. São produzidas apenas nas instalações da empresa. O saber fica fechado. As tecedeiras não podem utilizar as técnicas que aprenderam no exterior. Nem para produção para casa, família ou amigos.

Museu da Tapeçaria de Portalegre
Desenho para tapeçaria créditos: Who Trips

Um dos pisos do museu ilustra a história e a componente técnica da Tapeçaria de Portalegre. Também podemos ver a arte dos pintores projectada em desenhos ou cartões quando estamos habituados a vê-la em tela. Em simultâneo, percebemos o empenho de muitos artistas plásticos consagrados que se exprimiram em vários suportes e que apostaram também na tapeçaria como forma de arte.

Museu da Tapeçaria de Portalegre
Carta de Almada Negreiros créditos: Who Trips

A carta de Almada Negreiros a solicitar cartões das tapeçarias para expor na Bienal de S. Paulo são exemplos disso. Almada produziu para tapeçaria várias obras e algumas das que mais se destacam são de grandes dimensões. É o caso das tapeçarias para o Tribunal de Contas e para o Hotel Ritz, em Lisboa.

Museu da Tapeçaria de Portalegre
Integração Racial de Almada Negreiros créditos: Who Trips

Outra obra maior de Almada Negreiros, feita já após a sua morte, é o tríptico da Gare Marítima da Rocha Conde de Óbidos que pode ver na exposição. O tríptico começou a ser preparado nos anos 70 do século passado mas apenas foi finalizado nos anos 90, após encomenda da Fundação Calouste Gulbenkian.

O surpreendente Museu da Tapeçaria de Portalegre faz parte do programa Vou Ali e Já Venho da Antena1 e pode ouvir aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.