Existiam quatro moinhos no estuário do Sado. Este foi o único a ser recuperado e que é possível visitar.

Isabel Guimarães é técnica de turismo e foi quem me fez a visita guiada explicando que o moinho teve oito mós.

Moinho Mourisca
As duas pedras de uma mó pesam uma tonelada. A força da água tinha de movimentar oito toneladas créditos: Who Trips

Cada uma delas pesa uma tonelada e era preciso muita força para fazer mover o engenho.

A casa tem agora seis canais debaixo do edifício e, quando da maré cheia, o espaço envolvente forma um reservatório de água. Um lago.

Moinho Mourisca
O reservatório de água visto do moinho créditos: Who Trips

O moleiro fechava entretanto a comporta principal e aguardava seis horas até a maré esvaziar, o que aumentava a pressão. Fazia então passar toda a água pelos túneis que, por sua vez, canalizava a água para os rodízios que serviam de motor para o engenho.

A água, ao passar por um túnel estreito e para um espaço vazio, criava pressão suficiente para movimentar todas as mós.

Moinho Mourisca
A casa com os canais para a passagem da água créditos: Who Trips

A quantidade de água retida permitia que o engenho funcionasse continuamente durante três horas.

O sistema ainda está a funcionar e uma das mós ainda tritura as sementes. No entanto, já não fazem uso regular para evitar o desgaste e a pressão sobre o edifício provocada pela retenção da água.

Moinho Mourisca
créditos: Who Trips

O espaço museológico tem seis mós montadas numa sala muito ampla e com janelas e portas para o Sado. Podemos ver ainda parte da engrenagem que faz movimentar as mós e vê-se passar a água por debaixo da casa.

Na sala há instrumentos utilizados pelo moleiro, por exemplo, para levantar a mó que tinha de ser picada com alguma regularidade.

Este equipamento não corresponde ao moinho original que remonta a 1601. Em principio será dos anos 30 a 40 do século passado e que garantiu o funcionamento do moinho até fechar as portas em 1967.

Moinho Mourisca
O moinho tem uma esplanada que permite contemplar a paisagem e tirar partido do ambiente calmo e natural. créditos: Who Trips

A reconstrução é de 1995 após ter ficado em ruína.

O edifício faz parte da antiga herdade da Mourisca e engloba salinas, sapal, campos agrícolas e florestais.

Moinho Mourisca
Flamingos numa antiga salina créditos: Who Trips

Há passeios pedestres, observação de aves, em particular os flamingos que vi cerca de duas dezenas ao final do dia numa antiga salina.

Uma das sugestões para melhor observar as aves e parte da Reserva Natural é num passeio de barco.

Moinho Mourisca
Barcos que fazem uma visita pelo estuário do Sado créditos: Who Trips

O turismo de natureza é um dos motivos que leva mais visitantes ao Moinho e à Reserva.

A visita ao moinho torna-se muito mais interessante se for com guia. O acesso é gratuito e as visitas guiadas devem ser solicitas com antecedência.

Moinho Mourisca
Vista do moinho e da herdade junto ao estuário créditos: Who Trips

O Moinho e a restante estrutura da Herdade da Mourisca é uma gestão conjunta da Câmara Municipal de Setúbal e o ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e Florestas.

Moinho Mourisca
créditos: Who Trips

O engenho e a perícia no Moinho de Maré da Mourisca faz parte do programa da Antena1 Vou Ali e Já Venho, e pode ouvir aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.