A Concatedral de Miranda do Douro é um edifício enorme tendo em conta o centro histórico da cidade.

Concatedral Miranda
créditos: andarilho.pt

A robustez e a frieza da pedra dão-lhe um ar rude e sóbrio que é apenas quebrado pela decoração no interior. É uma igreja-salão com as três naves praticamente com a mesma altura e está repleta de trabalhos em talha dourada e figuras em altares.

Menino da Cartolinha
créditos: Andarilho

Uma das que se destaca é o Menino Jesus da Cartolinha que recebe as graças dos populares. São muitas e diversas as oferendas. Camisas, sapatos, chapéus, vestidos, meias, bonés...

Concatedral Miranda
créditos: andarilho.pt

Quando entramos as colunas encaminham o olhar para o retábulo-mor que reveste toda a parede traseira. A obra foi terminada apenas em 1641 e é da autoria do mestre galego Gregório Fernandez.

Concatedral Miranda
Figuras em relevo do altar-mor créditos: andarilho.pt

Os motivos são florais e surgem em destaque várias figuras religiosas em alto-relevo. Em baixo está o enorme cadeiral dos cónegos também decorado com talha dourada.

Concatedral Miranda
Cadeiral créditos: andarilho.pt

Vários candeeiros suspensos no tecto ajudam a luz natural e o brilho revela o esplendor que quiseram atribuir ao templo que se desejava ser elevado a Sé Catedral.

Tem uma história longa. Como diz António Rodrigues Mourinho, investigador e antigo diretor do museu e da Catedral, “começa em 1552 com a primeira pedra e só termina, assim como está, no século XVIII".

"É um templo magnífico. Está cheio de riqueza cultural, artística, etnográfica e religiosa. É o nosso símbolo principal. A catedral e a Capa de Honras".

Concatedral Miranda
créditos: andarilho.pt

"Temos ainda os pauliteiros, as nossas danças, os nossos cantares e a língua.”

O objetivo era impressionar o rei para ser escolhida como Sé do Nordeste Transmontano, libertando-se a região da distante arquidiocese de Braga.

Concatedral Miranda
créditos: andarilho.pt

Partilhavam a mesma ambição com Torre de Moncorvo e Freixo de Espada à Cinta. D. João III acabou por corresponder às aspirações de Miranda.

Miranda do Douro foi assim elevada a cidade e reunia clérigos e representantes da Coroa.

Concatedral Miranda
Concatedral e a muralha créditos: andarilho.pt

No entanto, não tinham o poder suficiente para evitar ocupações pelos espanhóis como sucedeu no inicio do século XVIII. Este terá sido o principio do fim da sede episcopal em Miranda do Douro.

Concatedral Miranda
Órgão da Concatedral créditos: andarilho.pt

O receio levou bispos e cónegos para Bragança, mais distante da fronteira e no presente partilham a diocese.

A Concatedral de Miranda do Douro está classificada como Monumento Nacional.

Concatedral Miranda
créditos: andarilho.pt

Concatedral de Miranda do Douro faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.