Ao fim de cerca de um mês e meio a pedalar voltámos a ver o mar. Tínhamos chegado ao Algarve. E, apesar de termos a noção de que esta região não é só sol e praia, confessamos que a nossa passagem por lá foi sempre junto à costa. Isto porque Vila Real de Santo António marcou a nossa chegada ao litoral, por onde iremos continuar até ao final da nossa volta a Portugal em bicicleta.

Aproveitamos a ecovia do litoral para fazer toda a travessia até Sagres. Esta está relativamente bem delineada e desenvolve-se ao longo de ciclovias já existentes, estradas de trânsito reduzido e percursos em terra batida que nos conduziram também por zonas menos visitadas.

Porto de Ferragudo
Porto de Ferragudo créditos: Mais pra lá

Foi em Cacelha Velha que tivemos o primeiro contacto com a Ria Formosa que nos viria a indicar o caminho até Faro.

As salinas da Ria Formos fazem parte do percurso da Ecovia Litoral e são também um dos pontos altos da mesma. O trajeto ao longo do sapal, que é habitat de um grande número de espécies representativas de zonas húmidas, é surpreendente pelas suas cores e vida.

Salinas da Ria Formosa
Salinas da Ria Formosa créditos: Mais pra lá

Entre Cacela Velha e Faro visitámos localidades como Tavira, Fuseta e Olhão, deambulando pelos ramais da formosa ria.

O Algarve é o mais conhecido destino turístico em Portugal e, apesar da situação de pandemia atual, continua a ser a região onde mais gente vimos ao longo da nossa viagem. As praias em zonas como Quarteira e Vilamoura, Armação de Pêra, Portimão e Lagos estão, aos nossos olhos, compostas. Se o Algarve está com menos 70% de ocupação em relação ao que é habitual, então não temos bem noção do que é o Algarve num ano normal, em especial as zonas mais movimentadas. Vimos algumas (poucas) praias vazias, nomeadamente as mais compridas, mas também tivemos situações onde não tínhamos espaço para colocar a nossa toalha.

Praia do Camilo
Praia do Camilo créditos: Mais pra lá

Em Lagos, as praias e as falésias são de encher o olho a quem as visita. As praias da Batata, da Luz e do Camilo são algumas das mais fantásticas que se podem visitar nesta cidade. E claro não esquecer a Ponta da Piedade, um monumento natural composto por várias falésias de onde se tem uma vista daquelas inesquecíveis!

A nossa paragem seguinte foi na ponta de Portugal: tínhamos chegado a Sagres. Aqui as vans, as caravanas e as camisas desabotoadas mostravam uma atmosfera mais jovem e tranquila. Estávamos no nosso primeiro ponto da Costa Vicentina e cheios de vontade de a explorar.

Pernoitámos na Praia da Mareta onde acordámos com vista para a enorme fortaleza e para a ponta mais a sudoeste do nosso país, antes de arrancarmos, pela primeira vez nestes dois meses de viagem, em direção a Norte.

Vista para a ponta de Sagres desde a praia da Mareta
Vista para a ponta de Sagres desde a praia da Mareta créditos: Mais pra lá

DICAS:

- Visita a Gruta de Benagil. Existem barcos a sair de todo o Algarve para visitas mas podes também alugar um paddle na praia de Benagil ou, se te sentires confortável e a bandeira estiver verde, é possível ir a nado até lá.

- Vai à Ponta da Piedade em Lagos e maravilha-te com a vista.

- Se estiveres numa de caminhar pelo Algarve, fá-lo pela Via Algarvia que liga Alcoutim ao Cabo de São Vicente atravessando toda a região pelo interior.

- Também para os amantes de caminhadas e cicloturismo existe a Ecovia Litoral que liga Vila Real de Sto. António a Sagres num percurso pela costa sul algarvia.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.