É um edifício em granito e enorme. “Data dos finais do século XVII até finais do século XVIII. O primeiro edifício é muito anterior, de 925 segundo a documentação existente na Torre do Tombo.

Mosteiro de Arouca
créditos: andarilho.pt

Em 1216 deu entrada a rainha Mafalda, filha de Dom Sancho I e neta de Dom Afonso Henriques. Ela recebeu o mosteiro como testamento após a morte do seu pai.”

Mosteiro de Arouca
Túmulo de D. Mafalda na igreja créditos: andarilho.pt

A cronologia é de Carlos Teixeira de Brito. É o Juiz da Real Irmandade Rainha Santa Mafalda que foi criada em 1886 quando da morte de Maria José Gouveia Tovar de Meneses, a última monja do Mosteiro e o encerramento era obrigatório devido à extinção das ordens religiosas. A Irmandade manteve a seu cargo todo o espólio artístico do Mosteiro.

Mosteiro de Arouca
créditos: andarilho.pt

A Irmandade foi criada nessa altura “e ficou autenticada por alvará régio de Dom Luís I. Teve a seu cargo todo o espólio artístico do Mosteiro. Arouca é um caso único em todo o país porque manteve praticamente todas as obras de arte.

Mosteiro de Arouca
créditos: andarilho.pt

Exceto o mobiliário que as monjas foram vendendo ao longo dos tempos. Mas ficaram obras de  arte de escultura, pintura e ourivesaria. Foram escondidas pela última monja e pela criada do Mosteiro, Rosa do Sacramento.

Mosteiro de Arouca
Sala do Capítulo créditos: andarilho.pt

Na altura esteve aqui Alexandre Herculano que levou livros e pergaminhos e esse património está guardado no arquivo da Torre do Tombo e na Universidade de Coimbra.”
O espólio faz parte do Museu de Arte Sacra, um dos mais importantes em Portugal, com obras de arte que vão do século XII ao século XVIII. Revelam também a abundância de recursos das monjas.

Mosteiro de Arouca
Coro das Freiras créditos: andarilho.pt

“Basta ver a talha dourada da igreja do coro, é o melhor sinal da opulência e a grandeza em que as senhoras viviam. Só vinham para aqui as filhas da alta nobreza portuguesa. Nem todos professaram. A rainha Mafalda nunca chegou a ser freira. Havia senhoras que vinham para aqui por opção, traziam um rico enxoval, criadas e viviam aqui em comunidade.”

A riqueza começou bem cedo com os terrenos e outros bens que Dona Mafalda ofereceu ao Mosteiro e, um pouco antes, com o seu avô, Dom Afonso Henriques, que concedeu Carta de Couto ao Mosteiro.

Mosteiro de Arouca
Cozinha do Mosteiro créditos: andarilho.pt

“As monjas eram donas de todo este território do concelho de Arouca com exceção de uma freguesia que pertencia à ordem de Malta. O couto de Arouca correspondia ao atual concelho de Arouca, mas também tinha terras nos concelhos de Vale de Cambra, Estarreja e Oliveira de Azeméis. As monjas decidiam e nomeavam responsáveis locais. A Misericórdia de Arouca, fundada em 1610, tinham plenos poderes. Elas é que decidiam tudo. É a única casa senhorial deste território. Do arrendamento das terras recebiam algum dinheiro e essencialmente produtos agrícolas.”

Mosteiro de Arouca
créditos: andarilho.pt

Não se estranha, assim, quando se visita uma parte significativa do Mosteiro vermos a riqueza ornamental da igreja, o esplendoroso cadeiral de jacarandá e trabalhado ao pormenor, rodeado de paredes cobertas com talha dourada, o claustro acolhedor, a sala do Capítulo e a enorme cozinha que desperta a atenção dos visitantes. Outra relíquia é o órgão.

Mosteiro de Arouca
Ógão da Igreja do Mosteiro de Santa Maria de Arouca créditos: andarilho.pt

“Acabou de ser instalado em 1743 por um organeiro espanhol, de Valladolid, Manuel Benito Gómez. Tem 1352 tubos, regulados por 24 registos. É um do mais importantes da Península Ibérica. Foi restaurado há cerca de 20 anos e podemos assistir com regularidade a muitos concertos de órgão, não só acompanhados de canto mas também de outros instrumentos da época.”

Mosteiro de Arouca
créditos: andarilho.pt

Quando assistimos a um concerto do órgão podemos ver a grade de madeira que separava o povo do Coro das Freiras.

Esta opulência, curiosamente, contrasta com a origem da clausura feminina e com as normas a que se sujeitavam. Primeiro o mosteiro foi Beneditino, depois passou a ser exclusivamente feminino e com a chegada de Dona Mafalda, é introduzida a regra de Cister.

Mosteiro de Arouca
Igreja do Mosteiro de Santa Maria de Arouca créditos: andarilho.pt

Dona Mafalda, que foi reconhecida como rainha de Espanha, retirou-se para Arouca e morreu em 1256. No final do século XVIII (1792) foi beatificada pelo Papa Pio VI e no ano seguinte o seu corpo foi trasladado para a ala direita da igreja do Mosteiro.

Mosteiro de Arouca
Cozinha do Mosteiro créditos: andarilho.pt

O antigo túmulo em pedra está protegido por uma estrutura de madeira, junto ao solo. O corpo foi trasladado em 1793 para a urna relicário de vidro e madeira que está na parte de cima do altar. A estrutura está esculpida com efeitos decorativos e no topo tem uma coroa dourada com uma cruz.

Mosteiro de Arouca
créditos: andarilho.pt

No Mosteiro há ainda várias esculturas e pinturas que representam Santa Mafalda. Algumas destas peças estão nas antigas celas que funcionam agora como Museu de Arte Sacra.

Refira-se ainda que duas irmãs de Mafalda tiveram percursos de vida semelhantes e estão também em altares na igreja do Mosteiro de Lorvão.

O Mosteiro de Santa Maria de Arouca está classificado como Monumento Nacional e ao abrigo do Programa Revive, uma parte significativa da estrutura foi concessionada para fins turísticos.

Mosteiro de Arouca
créditos: andarilho.pt

A clausura das monjas no faustoso mosteiro de Santa Maria de Arouca faz parte do programa da Antena1 Vou Ali e Já Venho, e a emissão deste episódio pode ouvir aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.