As casas estão concentradas junto a uma ribeira e alinhados ao longo do monte. Domina o xisto em ruelas muito estreitas, com traçado medieval.

A aldeia foi construída como uma fortaleza. As casas estão juntas e formam uma proteção como se fosse uma muralha. As entradas para o casario tinham uma cancela. Eram usadas durante a noite nos séculos XVII e XVIII para evitar a entrada de lobos.

As cancelas ainda lá estão e no interior do casario permanecem os estábulos e pequenas construções em pedra para guardar as galinhas.

Aldeia de Figueira
As cancelas de madeira créditos: Who Trips

Outra particularidade de Figueira é o sistema de marcação no forno comunitário. O agendamento era feito numa tábua com 32 furos. Cada um correspondia a uma família. A marcação era feita com um pequeno pau e depois articulavam uns com os outros.

Aldeia de Figueira
Forno comunitário créditos: Who Trips

O forno ainda está a funcionar e vê-se lá a tábua. É a família de João Matias que lhe dá maior uso para fazer comida para o restaurante Casa Ti’Augusta de que são proprietários. Cozem pão todos os dias e cozinham pratos típicos da região, como por exemplo tijeladas, feijoada beirã e cabrito assado. Muito esporadicamente, só em alturas festivas, como Natal e Páscoa, é que outras famílias também usam o forno.

Aldeia de Figueira
Restaurante e alojamento local créditos: Who Trips

Na aldeia vivem apenas uma dezena de pessoas, a larga maioria quase centenária. Residem em casas pequenas, algumas caiadas de branco e na rua principal.

Aldeia de Figueira
Rua principal com a Loja de Xisto e o restaurante créditos: Who Trips

É nesta rua que fica a Loja de Xisto, o restaurante e uma casa maior que tem uma capela onde antes havia missa todas as semanas. Destaca-se a entrada devido ao trabalho na porta. Muitas casas estão decoradas com flores e a via é relativamente larga.

Aldeia de Figueira
Algumas das casas abandonadas ou devoradas pelo fogo créditos: Who Trips

O interior do casario é diferente. Foi fustigado por um incêndio há três anos e algumas casas foram consumidas pelo fogo. Outras estão em ruína e meia dúzia foram recuperadas.

Os caminhos levam-nos para um labirinto com ruas estreitas e sinuosas.

Algumas casas ainda mantêm os traços da origem de alguns séculos. No entanto, em apenas duas décadas, nos anos 60 e 70, ficaram quase vazias devido ao êxodo de uma geração. Principalmente o núcleo mais antigo, no interior das cancelas, ficou quase desertificado.

Os mais novos emigraram para o litoral e não regressaram nem compuseram as casas de família. A vaga migratória foi enorme. Famílias com uma dezena de filhos ficaram com as casas só habitadas pelos mais velhos. Os que ficaram acabaram por morrer e as casas ficaram como estavam.

Aldeia de Figueira
As casas mantêm a traça e materiais de há muitas décadas atrás créditos: Who Trips

Este é um dos principais motivos porque o casario tem poucos sinais de modernidade e é uma fotografia do que seria aldeia há muitas décadas atrás.

Aldeia de Figueira
A casa da capela créditos: Who Trips

Além da descoberta da aldeia e dos habitantes, pode-se fazer um caminho pedestre, descobrir moinhos de água e encontrar rebanhos de cabras.

Relativamente próximo fica Sobreira Formosa e ao longo do caminho facilmente se percebe a vida austera destas comunidades agrícolas que tinham na produção de azeite um dos rendimentos mais importantes. A expectativa é que o turismo possa dinamizar a economia local.

A aldeia fortaleza de Figueira faz parte do programa da Antena1, Vou Ali e Já Venho, e pode ouvir aqui.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.