Nagoro é uma aldeia montanhosa do oeste do Japão, a mais de 500 quilómetros da capital. A aldeia já poderia estar esquecida caso a imaginação de Tsukimi Ayano não tivesse dado uma nova vida a Nagoro. Tsukimi criou bonecos do tamanho de pessoas aqui e ali para afastar a solidão.

"Somos apenas 24 pessoas a viver aqui, e os bonecos, 10 vezes mais: são cerca de 270", explica esta habitante de 69 anos que vive sozinha com o pai.

A escola encerrou há sete anos por faltarem professores, recorda.  "Agora já não há crianças. A pessoa mais jovem da aldeia tem 55 anos".

É março e está frio. Em frente a uma loja abandonada há uma "família" muito agasalhada. Perto da paragem de autocarro, um "pai" arrasta um carrinho com "crianças".

Pedaços de pau, jornais e lã

Há 16 anos Ayano colocou na horta um espantalho vestido com a roupa do pai. "Uma pessoa que passou por ali acreditou que era o meu pai e cumprimentou-o, foi divertido", lembra.

Desde então, Tsukimi Ayano não parou de criar bonecos. Ayano utiliza pedaços de pau e jornais para fazer o corpo, tecido elástico para o rosto e lã para o cabelo. Como toque final, pinta de rosa os lábios e as bochechas.

Quando Ayano era criança, Nagoro contava com cerca de 300 pessoas, tanto residentes como trabalhadores do setor florestal e da construção de barragens.

"Pouco a pouco as pessoas começaram a partir. Agora sentimo-nos sozinhos", desabafa Tsukimi Ayano. "Fiz bonecas, algumas vezes, para me recordar de quando a aldeia era animada".

Este caso é emblemático do mal da terceira economia mundial, que enfrenta um rápido declínio demográfico num contexto de baixa taxa de natalidade.

Êxodo rural

Como Nagoro, cerca de 40% dos aproximadamente 1.700 municípios do Japão estão a ficar despovoados.

O arquipélago envelhece de forma lenta. Em breve será o país com a população mais velha do mundo, o que significa que 28% dos habitantes terão pelo menos 65 anos. Serão quase 40% em 2050.

Em 2050 a população haverá diminuído dos 127 milhões atuais para 100 milhões.

Depois da Segunda Guerra Mundial, muitos povoados japoneses viviam da silvicultura e da agricultura mas os jovens começaram a sair das aldeias a partir de 1960.

"A economia era florescente em Tóquio e nas regiões industriais de então. Ali podia-se ganhar dinheiro", afirma Takumi Fujinami, economista do Instituto de Investigação do Japão.

O fenómeno continuou durante os últimos anos apesar da promessa do primeiro-ministro, Shinzo Abe, de revitalizar as regiões. "Fazer a população regressar é muito difícil", afirma Fujinami. Dar ajudas para atrair pessoas não é suficiente.

"Antes de mais é importante aumentar os rendimentos ou melhorar as condições laborais daqueles que vivem nas zonas rurais", comenta Takumi Fujinami.

Na falta de habitantes, os espantalhos de Nagoro atraem turistas de carne e osso. Alguns vêm dos Estados Unidos ou da Europa.

"Antes de eu começar a fabricar estas criaturas, ninguém parava aqui", afirma Ayano com um sorriso. "Não sei como será Nagoro daqui a 10 ou 20 anos, mas vou continuar a fabricar bonecos".

Fonte: AFP

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.