Na realidade foi tão fácil e seguro que o fiz mais duas vezes.​

Estou em Mui Ne, no Vietnam, com mais duas amigas que fiz enquanto estou por cá. Uma delas já é experiente nestas andanças de hitchhiker, portanto tentamos a nossa sorte. Ficamos hospedadas num hostel distante do centro turístico e para lá chegar precisamos de ir de autocarro que não funciona por estes dias. E não funciona porque é o Ano Novo Chinês, o Tết no Vietname. Durante esta altura as coisas funcionam anormalmente, portanto o bendito autocarro não circulava.

Fizemos-nos à estrada debaixo de um calor superior a 30ºC com o dedo estendido e na esperança que alguém nos ceda uma boleia rápido. É engraçado ver a reacção dos motociclistas que acenam mas não param. Felizmente só andamos cerca de 10 minutos até que um veículo dá sinal de pisca e abranda. Festejamos o momento com muita euforia e lá fomos nós ver quem parou e se nos agrada. Era uma família que estava de viagem por Mui Ne para visitar familiares. Nesta altura do ano novo, muitas famílias vão em direcção à sua terra natal que, por norma, é na província, portanto a cidade de Ho chi Minh fica vazia.​

Esta família era super simpática, mantivemos uma boa conversa durante a viagem de aproximadamente 15 minutos. Eles contaram-nos que era a segunda vez que davam boleia a estrangeiros neste mesmo dia e pareciam tão felizes com isso. Este é o primeiro dia do novo ano do Porco e dizem os supersticiosos que o que acontecer neste dia se repetirá mais vezes durante o ano.

Por fim, chegamos ao nosso destino, a vila piscatória de Mui Ne, onde dizemos adeus, agradecemos pela boleia e abandonamos o carro para explorar a área. É uma vila acolhedora onde não há muito mais para fazer do que tirar uma foto a todos os barcos que se espalham pelo mar. Uma vista bem agradável, mas bem mal cheirosa, já que não aprecio o cheiro a peixe.​

vila piscatória de Mui Ne
Mui Ne créditos: While You Stay Home


Como não sabemos de mais nada para fazer de turístico nesta área, andamos pelas ruas da vila que é muito acolhedora e simpática. Aqui os cumprimentos aos aldeões tornam-se uma constante. Gosto tanto de locais assim, onde as pessoas sorriem para ti com admiração pois não passam por lá muitos forasteiros. Visitamos um templo bem encantador que se ergue no meio das casas da vila e decidimos explorar as pequenas ruelas junto à costa.​

Mui Ne
Mui Ne créditos: While You Stay Home

E ainda bem que o fizemos pois os momentos que se proporcionaram depois foram hilariantes. Estava, como é tão comum no Vietname, uma família na sua casa a cantar karaoke enquanto petiscavam. Mal nos veem, convidam-nos de imediato para sua casa. Estão cerca de 6 homens sentados no chão em círculo com petiscos no meio e muita mosca à mistura. Tanta mas tanta mosca pousada naquela comida! Ainda assim, eram tão simpáticos que tivemos de experimentar alguma iguaria já que eles nos tentavam servir a comida à boca. Também lá estavam duas senhoras, mas foi interessante observar como elas não bebiam nem comiam, nem cantavam como eles.

Karaoke
créditos: While You Stay Home


O mais engraçado da experiência é que não falam inglês, portanto, foi mais de uma hora a trocar sorrisos, a brindar e até nos puseram a cantar karaoke. Foi hilariante. É também muito engraçado ver como reconhecem os países pelos jogadores de futebol. Mal digo que sou de Portugal, o nome Ronaldo não falha, acho que gostam muito dele pelas reacções estridentes. Quanto às duas amigas que estavam comigo só souberam de onde elas eram depois de elas dizerem o nome de um jogador famoso do pais delas. Isto porque eu sei dizer Portugal em vietnamita e elas não sabiam dizer o país delas na língua local, então foi assim que eles identificaram de onde elas eram. Tentar comunicar quando não se fala a mesma língua é um desafio e pêras que acaba por se tornar muito engraçado.​

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Viagens. Semanalmente. No seu email.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.