A questão da segurança afastará, certamente, a maioria dos turistas desta cidade bem movimentada e recheada de atrações. Mas, se tiver toda a informação sobre o que vai visitar e a forma de lá chegar, não terá qualquer problema. E acredite que vale bem a pena descobrir a cosmopolita Caracas.

Venezuela a partir do céu

Caracas: ao ritmo latino
créditos: José Antonio Freyre/CC BY-SA 2.5

Se quer ter uma perspetiva bem abrangente da capital venezuelana inclua uma viagem no teleférico na sua lista. Um dos mais longos do mundo, permite ver o Mar das Caraíbas do topo da montanha e dá acesso ao morro El Ávila. Aqui vale mesmo a pena visitar Galipán, uma cidade onde poderá desfrutar da cultura e gastronomia mais autênticas da Venezuela. Aproveite ainda para conhecer o Parque Nacional Waraira Repano, um dos locais imprescindíveis em qualquer roteiro turístico. A mil metros de altura, é totalmente arborizado e tido como o pulmão da cidade. Para desfrutar do passeio, convém escolher um dia de céu limpo. E não se esqueça de um agasalho, porque o teleférico chega a mais de dois mil metros acima do nível do mar.

A herança de Bolívar

Caracas: ao ritmo latino
créditos: Sergio Brazn/CC BY-SA 3.0

Conhecer Caracas passa por conhecer inevitavelmente Simón Bolívar. E para isso nada como visitar o Pantéon Nacional. Criado em 1870, o mausoléu é local de descanso eterno de muitas figuras históricas da América do Sul, com destaque para Bolivar, cujo caixão está sempre ladeado por uma guarda de honra. Para além das bandeiras dos seis países sul-americanos que devem a independência ao lutador, destacam-se aqui algumas peças de arte, como um lustre de cristal com quatro mil peças. Siga depois até à casa onde nasceu Bolívar. Reconstruída em estilo de época, a habitação apresenta uma impressionante coleção de obras de arte venezuelanas, retratando o herói e a guerra da independência do país. Mesmo ao lado encontra o Museu Simón Bolívar, que conta com objetos pessoais e documentos, uniformes e armas do lutador, e até com a pia em que foi batizado.

Um passeio pela cidade

Caracas: ao ritmo latino
créditos: Javiermartinez76/CC BY-SA 3.0

A Plaza Bolívar é um excelente lugar para dar início a uma caminhada pela Cidade Velha. Marco da fundação de Caracas pelo espanhol Diego de Losada em 1567, funciona como ponto de encontro de moradores, comerciantes e turistas desde o final do século XIX. Nos cantos da praça erguem-se estátuas de quatro mulheres que representam os estados da antiga Gran Colômbia: Venezuela, Equador, Peru e Colômbia. Mas, como não podia deixar de ser, a estrela é mesmo uma estátua de Simón Bolívar montado no seu cavalo. Em redor da praça, encontra edifícios públicos diversos, entre os quais a Catedral de Caracas. Construído em 1641, foi a primeira igreja da cidade e acolheu o batismo de Bolívar. Outras religiões são também representadas na capital venezuelana: a judaica através da Sinagoga Tiféret Israel – a maior do país – e muçulmana com a Mesquita Ibrahim Al-Ibrahim, considerada a segunda maior da América Latina. Se não dispensa as tradicionais visitas a museus, não deixe de visitar o de Belas Artes, fundado em 1917 e o mais antigo da Venezuela. Adicione ao roteiro o Museu de Ciências e ainda o Museu Sacro, onde encontra variados objetos que contam a história da fé católica.

Caracas: ao ritmo latino
créditos: José Gregorio Ferrer/CC BY-SA 3.0

Caracas oferece uma boa dose de entretenimento. O destaque vai para o Teatro Teresa Carreño, o maior complexo cultural da Venezuela e segundo maior da América do Sul. Em cartaz estão, regularmente diversas formas de arte, desde música sinfónica à popular, passando por balé clássico, teatro e ópera. Mas nada melhor para entrar no ritmo venezuelano do que ir até Las Mercedes, bairro onde poderá escolher de entre um grande leque de discotecas e clubes noturnos.

Uma pausa no parque

Caracas: ao ritmo latino
créditos: Veronidae/CC BY-SA 3.0

Depois de conhecer melhor a história da Venezuela e da sua capital, apanhe o metro na linha 1 e siga até ao mais importante espaço verde de Caracas: o Parque Generalíssimo Francisco de Miranda, antes conhecido como Parque del Este. Inaugurado em 1961, é, com os seus 82 hectares o local perfeito para entrar em modo pausa e desfrutar da natureza em plena cidade. Aproveite para fazer um piquenique na imensa zona relvada e dê um salto até ao planetário que aqui se encontra. Das estrelas parta para o jardim zoológico, que alberga uma enorme variada de espécies, como jaguares, macacos, aves diversas e répteis.

Vai uma arepa?

Caracas: ao ritmo latino
créditos: Frederick Medina/Unsplash

A gastronomia venezuelana varia de região para região, mas no geral tem como ingredientes principais os frutos do mar, o cabrito, o coco e a banana e ainda o milho e as massas. Na sua passagem por Caracas não deixe de conhecer um pouco melhor o país através do seu prato nacional: o pabellón criollo. Feito à base de sobras, este mix de sabores é feito com arroz, feijão preto, banana frita e carne desfiada. Se preferir a comida de rua, então delicie-se com a famosa arepa. Uma das iguarias mais tradicionais da Venezuela (e da Colômbia) é composta por massa de pão feita com milho moído ou farinha de milho, recheada tanto com ingredientes doces como salgados. A arepa pode ser considerada prato principal, mas também acompanhamento. Para sobremesa, continue a esquecer a dieta e converta-se ao quesillo, uma espécie de pudim flan que apesar do nome não leva queijo, mas gemas de ovo e xarope. Quanto a bebidas, descubra o ponche crema. Fabricado há mais de cem anos pela mesma família, este néctar leva leite, ovos e rum e apesar de ser consumido durante todo o ano tornou-se uma bebida tradicional da quadra natalícia.

Monumentos que imortalizam a guerra da independência, riquezas naturais mesmo junto à cidade e sabores com sotaque latino fazem de Caracas um destino a ver com outros olhos. Nem pense duas vezes e reserve já o seu voo com a TAP até à terra natal de Simón Bolívar.

Caracas ida e volta desde 710€